Venda de discos pode estar sendo prejudicada por causa do YouTube, revela estudo

Por Redação | 11 de Abril de 2014 às 13h25

A pirataria normalmente é citada como o grande vilão da indústria fonográfica, já que, de acordo com as gravadoras, é ela a grande responsável pelas drásticas quedas nas vendas de discos e músicas. Mas um estudo de duas instituições americanas veio adicionou o YouTube a essa dinâmica e mostrou que o site de vídeos pode não ser apenas uma boa ferramenta de divulgação, mas também pode prejudicar o faturamento dos artistas.

A pesquisa foi publicada online e conduzida pelas universidades de Fairfield e Colorado. O foco foi o chamado “YouTube Blackout” de 2009, quando problemas de licenciamento entre a gravadora Warner Music e diversas empresas resultaram na remoção de todo o portfólio da gravadora disponível no serviço.

Ao comparar o período de “apagão” com as vendas dos artistas da Warner que apareceram na lista dos 200 mais vendidos da revista americana Billboard, porém, os pesquisadores perceberam que a ausência dos vídeos teve efeitos benéficos no faturamento. As vendas de discos apresentaram crescimento de cerca de 100 mil unidades por semana, com praticamente todos os artistas tendo sucesso maior quando não estavam presentes no YouTube.

O estudo, claro, levou em conta especificidades como os gêneros musicais de cada um, bem como o espaço de tempo entre o lançamento e o período do blackout. Ainda assim, apesar da reticência em afirmar de forma veemente que o YouTube pode acabar prejudicando as vendas dos discos, o estudo deixa claro que o site pode não ser a fórmula mágica de divulgação que muitas empresas imaginam.

Isso se deve ao fato de que a maioria das buscas por artistas realizadas no serviço vêm de gente que já conhecia a música antes disso. Sendo assim, não existe muito sentido em pensar que o YouTube pode servir como um meio de descoberta musical, mas sim como uma maneira de permitir que os fãs tenham acesso a mais conteúdo de seus artistas preferidos.

A publicidade, por outro lado, permanece como o atributo que faz com que o YouTube permaneça como uma das principais formas de divulgação das gravadoras. Isso se deve ao fato de que, apesar dos efeitos negativos nas vendas, o ganho com publicidade muitas vezes pode até mesmo ultrapassar essas perdas, constituindo uma fonte de renda mais consistente e menos suscetível a flutuações de mercado, pelo menos por enquanto.

Siga o Canaltech no Twitter!

Não perca nenhuma novidade do mundo da tecnologia.