EUA: Senadora quer mudança em lei de fraude na internet após suicídio de Swartz

Por Redação | 16 de Janeiro de 2013 às 12h00

A morte precoce do ativista da internet e criador do Reddit Aaron Swartz fez com que a senadora republicana Zoe Lofgren, pelo Vale do Silício, exigisse mudanças na lei de fraude da internet dos Estados Unidos. A família de Swartz - que cometeu suicídio aos 26 anos de idade - acredita que sua morte é produto de um sistema judiciário intimidador e exagerado.

Swartz, que defendia o livre acesso a documentos e informações na rede, foi preso em julho de 2011 acusado de ter invadido alguns computadores e ter roubado mais de 4 mil documentos confidenciais do Massachusetts Institute of Technology (MIT) e do Jstor, um arquivo de revistas e trabalhos científicos. O ativista, se condenado, deveria pagar US$ 4 milhões (R$ 8 milhões) em multas e enfrentar 50 anos de reclusão.

Zoe Lofgren utilizou o pronunciamento da família de Swartz para propor um novo projeto de lei, intitulada 'Lei Aaron', que visa modificar a Lei de Fraude e Abuso de Computadores de 1984 e também o estatuto de fraude eletrônica para excluir termos de violação de serviços.

Participe do nosso GRUPO CANALTECH DE DESCONTOS do Whatsapp e do Facebook e garanta sempre o menor preço em suas compras de produtos de tecnologia.

Aaron Swartz

Reprodução: CNET

"A delaração de sua família fala sobre os esforços inadequados empregados pelo governo dos Estados Unidos", escreveu a congressista no Reddit. "Não há nenhuma maneira de revertermos a tragédia da morte de Aaron, mas podemos trabalhar para evitar a repetição dos abusos de poder que ele sofreu".

A senadora ainda ressaltou em seu texto que é de responsabilidade dos senadores evitarem que a mesma situação vivida por Aaron Swartz aconteça com outros cidadãos norte-americanos e que a abrangência da Lei de Fraude fez com que o governo colocasse a violação dos termos de uso de um determinado serviço como um crime, como foi definido no texto da lei.

Segundo o CNET, a senadora não é a única a alertar sobre a necessidade de rever a lei de mais de 29 anos. Em abril de 2012, o 9º Tribunal de Apelações de São Francisco, Califórnia, rejeitou a interpretação ampla do governo para a lei de 1984, alertando que milhões de norte-americanos poderiam ser processados diante da lei por, simplesmente, navegar na internet no período de trabalho.

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.