Segurança: Brasil e Reino Unido discutem governança na internet

Por Redação | 19 de Fevereiro de 2014 às 11h00

Em visita ao Brasil, o secretário de Estado para negócios estrangeiros do Reino Unido, William Hague, e o ministro das relações exteriores, Luiz Alberto Figueiredo, discutiram nesta quarta-feira (18) assuntos ligados à governança na internet. O encontro dos diplomatas acontece pouco mais de dois meses antes da Reunião Multissetorial Global sobre Governança na Internet, que será realizada entre os dias 23 e 24 de abril, em São Paulo, com participação de governos, empresas, acadêmicos e da sociedade civil.

De acordo com o EBC, o ministro brasileiro não concorda com as atividades da Agência Nacional de Segurança (NSA) norte-americana, especialmente em relação ao monitoramento de dados da presidente Dilma Rousseff e da Petrobras. Os documentos que comprovam a espionagem foram revelados no ano passado pelo ex-técnico da NSA, Edward Snowden.

"[A segurança na internet] é um tema novo nas relações internacionais e que requer discussão profunda e multissetorial. Eu acho que todos os países estão engajados nisso, porque é um tema de grande importância nas relações humanas e entre Estados", disse Figueiredo.

Por outro lado, o chanceler britânico mostrou discordar de que os Estados Unidos exercem controle sobre outros países nesse sentido (da espionagem), mas acredita que esse é um assunto que os governos, a sociedade e a indústria precisam debater. Para Hague, a internet tem de ser aberta, mas acima de tudo segura.

"Somos naturalmente céticos em relação ao controle dos Estados. É importante o dinamismo da internet para a inovação e a liberdade de expressão. Isso é algo que temos que estar conscientes em todas as discussões", explicou.

A Reunião Multissetorial de São Paulo foi um dos desdobramentos da resolução "Direito à Privacidade na Era Digital", aprovada em dezembro do ano passado pela Assembleia Geral das Nações Unidas (ONU). A medida foi resultado de um esforço conjunto entre Brasil e Alemanha na tentativa de elaborar uma regulação no âmbito da internet, assim como reagir às denúncias de espionagem norte-americana aos dois países.

"Foi decidido coletivamente que é necessário fazer uma revisão dos procedimentos para que as atividades na internet sejam compatíveis com o direito internacional e os direitos humanos", disse o ministro brasileiro na época em que a ONU aprovou a medida. "A inibição [da espionagem] é o efeito prático que esperamos. Não me refiro a nenhum país em específico, mas em geral. Por isso a adoção de uma resolução no âmbito da ONU".

O evento Global sobre Governança na Internet será promovido no âmbito do Comitê Gestor da Internet (CGI) do Brasil. Serão discutidos, entre os assuntos, os princípios de governança na internet e um roteiro para a evolução do ecossistema da internet, incluindo formas para globalizar as instituições e os mecanismos atuais que trabalham na rede.

"Será a contribuição [de todos] para o crescimento de um novo formato. Atualmente, não há uma governança nesse sentido. Vários setores serão chamados para um debate, para uma visão holística sobre a defesa de interesses concretos dos cidadãos", explicou Figueiredo, em dezembro do ano passado.

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.