Rede Globo consegue registro do domínio personalizado ".GLOBO"

Rede Globo consegue registro do domínio personalizado ".GLOBO"

Por Redação | 07 de Maio de 2014 às 15h01
Divulgação

Desde março do ano passado, empresas de todo o mundo podem solicitar ao Internet Corporation for Assigned Names and Numbers (ICANN) o registro de domínios personalizados. Basicamente, o famoso ".com" no final dos sites agora pode ser substituído por um sufixo específico que possa, entre outras funções, associar o produto à companhia.

Agora, eis que temos a primeira entidade brasileira a obter um dos novos Generic Top-Level Domain (gTLD) criados pelo ICANN, órgão que regulamenta a web. De acordo com o Código Fonte, tratam-se das Organizações Globo, que conseguiram a oficialização da extensão ".GLOBO" na rede junto ao órgão. Com a publicação esta semana da homologação do sufixo pela Internet Assigned Numbers Authority (IANA), o domínio ".GLOBO" passa a fazer parte da internet.

Segundo a documentação enviada pela instituição, o ".GLOBO" não poderá ser utilizado por qualquer um. O texto deixa claro que o novo gTLD "será específico, criado para concentrar todos os conteúdos gerados pelas Organizações Globo". O objetivo é que a empresa consiga "atestar a origem do conteúdo sob o .GLOBO, evitando cybersquat/cybersquatting e fraudes". A companhia ainda diz no documento que quer também "ter uma vantagem competitiva frente a nossos concorrentes com o objetivo final de ser o primeiro nome de domínio para notícias e entretenimento na internet no Brasil".

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

Fora as Organizações Globo, outras entidades já enviaram suas solicitações ao ICANN, entre elas os bancos Bradesco e Itaú, a empresa de cosméticos Natura e o site UOL. A Telefônica também espera obter a terminação ".VIVO", enquanto o Núcleo e Informação e Coordenação Ponto BR (NIC.br) tenta reservar os sufixos ".BOM" e ".FINAL". Aqui no Brasil há ainda o Rio de Janeiro, que está na disputa pelo gTLD ".RIO".

Novos domínios

Até outubro de 2013, o ICANN já havia aprovado cerca de 1.745 novas terminações. Antes, o órgão administrava um total de apenas 22 domínios TLD, como ".org", ".net", ".gov", etc. Com a mudança, pela primeira vez na história empresas e pessoas físicas poderão controlar esse tipo de domínio, algo antes reservado aos governos e organizações relacionadas à infraestrutura da internet. Isso significa que uma empresa como o Google, por exemplo, poderá controlar domínios como ".YouTube", ".Google" e ".blog".

Mas controlar uma terminação personalizada não custa barato. O ICANN cobra US$ 185 mil só para analisar um pedido, mas os custos totais somados, incluindo exigências técnicas e jurídicas, chegam a US$ 700 mil. Além disso, a manutenção pode chegar a US$ 150 mil anuais.

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.