Pesquisa traça perfil de consumo de entretenimento online no Brasil

Por Redação | 10.07.2014 às 12:50

Uma população que ainda busca uma banda larga de qualidade e está disposta a investir para ter melhores serviços, tevês e smartphones. Esses são alguns dos dados revelados pelo levantamento Accenture Digital Consumer 2014.

A Accenture é uma empresa global de consultoria de gestão, serviços de tecnologia e outsourcing, com cerca de 289 mil profissionais atendendo a clientes em mais de 120 países. A pesquisa feita pela companhia mediu as experiências de 23 mil clientes em 23 países, distribuídos entre economias maduras e mercados em expansão.

Entre os dados sobre o Brasil, chamam a atenção os serviços de banda larga: 90% dos brasileiros tiveram alguma situação de interrupção do serviço e carregamento de conteúdo online, como filmes e programas de TV, enquanto outros 83% dos consumidores reportaram lentidão dos serviços de banda larga. No mesmo cenário, 60% dos consumidores estão dispostos a pagar mais por conexões mais velozes.

A tevê continua sendo a principal fonte de informação, de acordo com os entrevistados, que adiantaram ter o interesse de investir mais nesses aparelhos. No Brasil e na Arábia Saudita os televisores foram os meios mais utilizados para ver jogos esportivos, com índice de 43%. Nas economias mais maduras, esse número fica na média de 54%, enquanto nas emergentes fica em torno de 52%. Computadores representam 18% das origens de acesso, smartphones 5% e tablets 4%.

A compra de uma smart TV é planejada por apenas 10% dos entrevistados brasileiros, seguindo a média de 8% dos países desenvolvidos e 13% das economias emergentes. A busca por aparelhos 4K deve ter alta nos próximos meses. De acordo com o levantamento, 25% dos entrevistados no Brasil pretendem investir na nova tecnologia, enquanto a média global fica em 18%.

Os brasileiros também demonstraram grande interesse por telefones. Na pesquisa, 70% pretendem comprar um smartphone nos próximos 12 meses, na média dos demais países emergentes, que também é de 70%. Nas economias maduras este percentual cai para 40%. 5% dos brasileiros pensam em investir em um e-book, diante de 18% dos países de economia madura e 29% das economias emergentes.

Os videogames foram lembrados: 41% dos brasileiros planejam adquirir jogos com conexão de Internet nos próximos 12 meses. Esse percentual varia para 18% nos mercados desenvolvidos e 32% nas economias emergentes.

Foram avaliados também dados sobre confiabilidade de informações digitais. Enquanto 71% dos entrevistados em todo o mundo estão dispostos a negociar dados com seus provedores, esse número cai a 60% por aqui.

Entre os serviços mais utilizados, 39% dos brasileiros confiam seus dados pessoais aos bancos e outros 30% às companhias telefônicas. Já com relação a companhias que mais utilizam dados pessoais de usuários, Google lidera com 33%, seguido por Facebook, com 25%, e provedores de Internet, com 18%. Microsoft (16%), Samsung (14%), Apple (10%), Sony (7%), Amazon (4%), Twitter (4%) e Wikipedia 3% completam a lista. Outros 12% não citaram empresa alguma.