Pesquisa aponta fraco desempenho do serviço de internet oferecido no Brasil

Por Redação | 24.04.2014 às 09:15 - atualizado em 24.04.2014 às 16:40

A internet brasileira não só é uma das mais caras do mundo, como também é uma das que evoluem mais lentamente. Pelo menos é o que aponta um levantamento divulgado pela empresa norte-americana Akamai nesta quarta-feira (23).

De acordo com o documento, o Brasil teve um aumento de 0,2% na velocidade média da conexão, que passou a ser de 2,7 Mbit/s. Com o número o país passou a ocupar a 78° posição em um total de 140 países analisados. No ranking mundial, o Brasil ocupa a posição de número 83, levando-se em conta que a taxa média de transmissão de dados na rede é de 3,8 Mbit/s.

O número não de todo animador, pois o país ainda se encontra atrás de países como Angola e Panamá. A situação, no entanto, é explicada pela Akamai, que atribui o tímido avanço do Brasil ao crescente número de novas conexões. “A maioria dos novos acessos está na classe C, público que, em geral, contrata serviços com velocidades mais baixas", explicou Matthew Swartz, executivo da empresa. O estudo revela ainda que 77% das conexões brasileiras têm velocidade média inferior a 4 Mbit/s.

Distante da nossa realidade, países que ocupam a outra ponta da tabela, como é o caso da Coreia do Sul (líder do ranking com velocidade média oito vezes superior a do Brasil), oferecem um serviço de alto desempenho e preço bem mais acessível aos seus usuários. “A Coreia do Sul é um exemplo a ser seguido”, disse Swartz. “O país investiu de modo agressivo na infraestrutura de redes e rapidamente se tornou referência no setor.”

Na análise referente ao desempenho da banda larga móvel no Brasil, os números são ainda mais desanimadores. Segundo o relatório, que considera os acessos por meio de redes 3G e 4G, a velocidade média da taxa de navegação dos brasileiros foi de 1,4 Mbit/s no último trimestre de 2013. O número representa uma queda de 18% em relação ao período de julho a setembro daquele mesmo ano.

O estudo foi elaborado com base nos acessos da plataforma da Akamai que representa cerca de 30% do tráfego na internet em todo o mundo.