Marco Civil começa a valer em junho. Teles criticam lei da neutralidade de rede

Por Redação | 24 de Abril de 2014 às 15h00
photo_camera Divulgação

Agora é oficial: o Marco Civil da Internet foi publicado nesta quinta-feira (24) no Diário Oficial da União e entra em vigor em 60 dias, no final de junho. Mas o projeto ainda causa discussão em vários setores por conta da lei que garante a neutralidade de rede nos serviços oferecidos pelas operadoras e prestadoras de rede. Em resposta ao jornal Folha de São Paulo, as empresas dizem que, se quiserem, poderão vender serviços diferenciados, cobrando mais de clientes que assinam conteúdos específicos.

Basicamente, a neutralidade de rede é um princípio que garante igualdade de acesso a qualquer tipo de conteúdo. Se o usuário contratou um plano de 5 Mbit/s ele tem agora, por lei, o direito de ter os mesmos 5 Mbit/s na hora em que for acessar e-mails, visualizar vídeos, conversar via bate-papo e outras atividades. As companhias ainda podem ofertar pacotes com diferentes velocidades, mas têm de ofercer a conexão contratada, não importa quais sites ou serviços o internauta visualiza.

De acordo com o deputado Alessandro Molon (PT-RJ), relator do Marco Civil, a lei não possui qualquer brecha que justifique a afirmação defendida pelas teles, pois isso significa "quebrar a neutralidade de rede". Molon também explica que as entidades não podem vender mais velocidade de transmissão para provedores de aplicação, como a Netflix. Na prática, isso seria outro fator que quebra a neutralidade, já que um computador estaria em vantagem em relação a outro aparelho, como um tablet ou celular.

Participe do nosso GRUPO CANALTECH DE DESCONTOS do Whatsapp e do Facebook e garanta sempre o menor preço em suas compras de produtos de tecnologia.

A presidente Dilma Rousseff também compartilha a decisão de Molon. "A neutralidade na rede proíbe o traffic shaping, que a operadora priorize um conteúdo em detrimento do outro. Esta é uma das principais disposições do Marco Civil da Internet", disse Dilma durante um bate-papo com internautas via Facebook na manhã desta quinta-feira (24). De acordo com a página do Palácio do Planalto na rede social, a conversa teve início por volta das 9h10 e durou cerca de uma hora, quando foram respondidos 24 comentários e elogios.

Outro ponto polêmico discutido pela presidente é o artigo 15, que trata da obrigatoriedade de armazenamento de dados de navegação dos usuários - uma espécie de "rastro" de tudo o que ele faz nos sites acessados na internet. Pela lei, fica determinado que as empresas que fazem uso dessas informações devem guardá-las pelo período de seis meses. A medida é uma forma de substituir a regra que obrigava a instalação de data centers no Brasil, derrubada pouco antes do Marco Civil ser aprovado na Câmara dos Deputados no final de março.

"O armazenamento de dados não afeta a liberdade individual porque é vedado às empresas e aos governos a violação da privacidade de dados, seja no que se refere às pessoas, às empresas e ao governo. Haverá um decreto regulamentando essa lei. Ele será discutido amplamente pela internet e com toda a sociedade para que nós possamos aprimorar cada vez mais esse dispositivo que assegura a privacidade e coibe eventuais abusos", disse Dilma.

Especialistas aprovam

A Folha conversou com alguns especialistas que se mostram a favor do Marco Civil, mas que apontam defeitos na lei. Luiz Fernando Moncau, professor do Centro de Tecnologia e Sociedade da Escola de Direito da FGV Rio, diz que um ponto problemático é sobre o armazenamento de dados dos usuários. Para Moncau, essa é uma medida desnecessária na Constituição, já que essas informações revelam muito sobre as atividades online do internauta.

Dilma Rousseff

A presidente Dilma sancionou o Marco Civil durante o evento NETMundial. (Foto: Gizmodo)

O advogado e especialista nas áreas de TI e propriedade intelectual, Fábio Pereira, elogia a regra que trata da remoção de conteúdo e diz que ela deve beneficiar principalmente as vítimas do chamado "pornô da vingança". "Faltou especificar como será essa comunicação, qual o tempo de resposta. Não dá para trazer o tema da retirada de conteúdo para o âmbito privado. Empresas tiram conteúdo por precaução, com medo de serem responsabilizadas. Mas ao retirar, se está infringindo direitos de expressão, então mesmo tem que ir à Justiça", diz o advogado.

Já Demi Getschko, presidente do Núcleo de Informação e Coordenação do Ponto BR (NIC.br) e um dos defensores do Marco Civil, diz que a lei sofreu algumas alterações ao longo dos últimos três anos, mas que nada disso afetou o projeto como um todo. Getschko, que foi um dos responsáveis pela primeira conexão de internet brasileira, defendeu os principais pontos do texto, especialmente aquele que aborda a neutralidade de rede. "Posso ter internet rápida ou lenta, mas as duas são completas", comentou.

Marco Civil

O Marco Civil da Internet no Brasil reúne as leis básicas que definem os princípios, garantias, direitos e deveres para quem usa internet no país. A partir de agora, os mais de 100 milhões de brasileiros que acessam a web, além de empresas nacionais e estrangeiras que fornecem serviços de redes e aplicações para outras pessoas, serão regidos por essa nova Constituição.

São três pontos principais que definem o projeto. O primeiro é a privacidade, que garante ao internauta a segurança de que seus dados e informações pessoais não serão violados, filtrados, vigiados, vendidos ou analisados livremente por provedores de internet. Outro princípio é a remoção de conteúdo, que não vai mais responsabilizar as empresas pelos conteúdos publicados pelos usuários na web e impedir a chamada "censura privada". O terceiro e último ponto também é o mais polêmico: a neutralidade de rede, uma regra que determina que as operadoras de telecomunicação tratem todos os tipos de conteúdo de forma igualitária.

Uma pesquisa divulgada pela empresa de comunicações Burson-Marsteller constatou que 69% dos internautas apoiam o Marco Civil. Pelo Twitter, o índice de aprovação chega a 92%, mas pelo YouTube e Facebook a porcentagem de pessoas favoráveis é bem menor - 4% e 23%, respectivamente.

O texto oficial já está disponível no site do Planalto. Para quem ainda tem dúvidas sobre o que vai mudar a partir de junho, quando a lei entrará em vigor, basta acessar nosso guia que detalha os principais fundamentos do Marco Civil da Internet.

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.