Maior site de vendas de drogas do mundo, Silk Road volta em versão 2.0

Por Redação | 07.11.2013 às 06:45 - atualizado em 07.11.2013 às 10:14
photo_camera Divulgação

Depois de uma mega operação do FBI que culminou no fechamento do Silk Road, o site de vendas de drogas mais usado no mundo está de volta em uma versão 2.0. As informações são da Forbes.

A página foi lançada na manhã desta quarta-feira (6) e, assim como a original, garante o anonimato dos usuários que utilizam o serviço através da rede Tor e da moeda virtual Bitcoin. O site já lista cerca de 500 tipos de drogas diferentes, como maconha, ecstasy e cocaína, e só é possível acessar o endereço por meio de convites de internautas que já estão inscritos na comunidade da página (antigos usuários já fizeram a transição).

O Silk Road 2.0 possui um novo administrador que manteve o codinome "Dread Pirate Roberts", pseudônimo usado pelo fundador original do site, Ross Ulbricht, preso pelo FBI no mês passado. De acordo com a Forbes, outros moderadores que estavam na primeira versão do site estão ajudando no gerenciamento do novo endereço.

Silk Road

Na parte visual, o novo site não se diferencia muito de seu modelo anterior. A mudança mais significativa está na página de login, que agora conta com um recurso de segurança que permite usar uma senha criptografada como uma medida extra de autenticação. A tela de login e senha ainda exibe uma paródia criada pela equipe do Silk Road 2.0 que zomba do Departamento de Justiça dos Estados Unidos, que "lacrou" o site no início de outubro com a apreensão de Ulbricht.

Alguns utilizadores mais antigos do serviço disseram estar apreensivos por conta da vigilância do FBI em páginas e endereços que praticam a venda de substâncias ilegais. "Quero mergulhar de cabeça no negócio, mas ainda não confio no novo Silk Road. Vou esperar um pouco mais para começar a investir", afirmou um usuário anônimo.

Entenda o caso

O Silk Road, o maior mercado online de drogas do mundo, foi fechado por agentes do FBI no dia 2 de outubro, dois anos depois de entrar em operação na web. Ross Ulbricht ("Dread Pirate Roberts") foi preso em São Francisco acusado por tráfico de drogas, invasão de computadores e lavagem de dinheiro.

Segundo o governo norte-americano, Ulbricht arrecadou cerca de US$ 80 milhões comandando o Silk Road. Ele vivia em uma pequena casa de um quarto também em São Francisco, onde dividia um aluguel de US$ 1.000 com mais duas pessoas. O hacker foi capturado pelo FBI dentro de uma biblioteca pública da cidade, perto de onde morava.

Em dois anos, o Silk Road efetuou mais de 1 milhão de transações que movimentaram 9,5 milhões de Bitcoins - o equivalente a US$ 1,2 bilhão. O site era monitorado pelo FBI desde 2011.