John McAfee vai depor sobre suposto assassinato de vizinho em 2012

Por Redação | 14.11.2013 às 15:00
photo_camera Divulgação

De acordo com a agência de notícias Reuters, o pioneiro dos softwares de segurança para computador, John McAfee, afirmou nesta quarta-feira (14) que vai prestar voluntariamente seu depoimento sobre o assassinato de seu vizinho na província de Belize, no ano passado. O executivo é acusado por homicídio culposo, quando não há intenção de matar.

McAfee, de 68 anos, foi procurado pela polícia em novembro de 2012 para depor por supostamente ter atirado e matado o norte-americano Gregory Faull, mas fugiu do país sem contar sua versão dos fatos. Duas namoradas do empresário teriam ajudado no assassinato e na fuga do criador do antivírus McAfee, segundo o processo apresentado pela Corte Distrital dos Estados Unidos, em Orlando.

Hoje vivendo em Portland, no Estado de Oregon, McAfee se defende das acusações alegando inocência e que não procurou a polícia antes porque queria ser interrogado "em qualquer país neutro no mundo, fora Belize". Ele diz que chegou a se encontrar com as autoridades locais e que agora vive protegido por uma equipe de seguranças com medo de ser sequestrado e voltar para a pequena província na América do Norte.

Entenda o caso

John McAfee é acusado de assassinar Gregory Faull, 52 anos, na época empreiteiro e dono de um restaurante em Orlando. O caso aconteceu em 11 de novembro de 2012, quando Faull foi encontrado morto dentro de casa com um tiro na parte de trás da cabeça, na ilha de Ambergrise Caye, em Belize, onde McAfee vivia há cerca de quatro anos.

Os policiais não encontraram nenhum sinal de arrombamento na residência – apenas um laptop e um celular sumiram do local. Os vizinhos de Faull e McAfee afirmaram que os dois estavam brigando havia algum tempo, até que Gregory Faull prestou uma queixa formal contra o vizinho na prefeitura da cidade de Belize. A acusação era de que McAfee tinha um comportamento suspeito e disparava armas de fogo inúmeras vezes nos arredores de sua casa. O barulho dos onze cachorros do empresário também incomodavam Faull.

Após o crime, a polícia foi até a casa de McAfee para interrogá-lo. Ele não foi encontrado, mas estava lá: se enterrou na areia, cobriu a cabeça com uma caixa de papelão e passou 18 horas escondido em sua propriedade antes de fugir. A casa do executivo foi invadida novamente em maio deste ano, quando as autoridades dizem ter encontrado muitas armas sem licença e materiais para a produção ilegal de um tipo de antibiótico.

Em dezembro do ano passado, John McAfee foi pego na Guatemala após tentar entrar ilegalmente no país. Ele disse que estava tentando fugir das autoridades de Belize porque temia que poderia morrer caso fosse preso. Dias depois, a juíza que cuidou do caso ordenou a soltura do empresário, alegando que o processo não era válido. Na mesma semana, conseguiu voltar para os Estados Unidos.

Além do antivírus que leva seu nome, McAfee também é conhecido por situações bizarras – algumas que ele mesmo confirmou –, incluindo a produção de drogas, tráfico de armas e envolvimento com meninas menores de idade.