Internet das Coisas: o novo alvo dos hackers

Por Vander de Castro | 30 de Janeiro de 2014 às 17h20

Estamos em pleno século XXI e entrando em um novo conceito de mundo conectado: agora, em vez de apenas computadores, celulares e tablets, teremos também carros, eletrodomésticos, utensílios e sistemas inteiros de alarme e segurança domiciliar conectados entre si. Sejam bem vindos à era da Internet das Coisas – ou IoT (Internet of Things), que será marcada pela época em que tudo ao nosso redor envia e recebe dados o tempo todo.

Abrem-se as portas para um mundo virtual em que nossos carros, geladeiras, fogões, televisores, computadores, periféricos, gadgets, portas, alarmes e circuitos internos de TV passam a maior parte do tempo trocando informações de maneira automatizada. É a praticidade aliada à tecnologia; a facilidade traduzida em automação extrema.

Com a Internet das Coisas, é perfeitamente possível imaginar uma casa conectada que faz tudo para que seu proprietário tenha o menor esforço possível: antes mesmo de o despertador tocar, a cafeteira já prepara o café, o aquecedor esquenta a água do banho, o carro liga seu motor e sintoniza o rádio e a TV já começa a passar o noticiário matinal. E assim que o morador chega em casa após um dia cansativo no trabalho, o circuito interno de TV já se comunica com os outros dispositivos conectados para recebê-lo em casa de maneira confortável: a geladeira já deixa a temperatura no ponto para uma lata de cerveja e todo o trajeto feito pelo dono da casa passa a ser iluminado como em um passe de mágicas. É só entrar, pegar uma cerveja, sentar no sofá e assistir ao jornal, tudo de maneira automatizada.

Participe do nosso GRUPO CANALTECH DE DESCONTOS do Whatsapp e do Facebook e garanta sempre o menor preço em suas compras de produtos de tecnologia.

Esse maravilhoso modelo de mundo conectado tem seus prós e contras. Recentemente, foi noticiado que hackers se aproveitam até mesmo de geladeiras para enviar SPAM. Com tantos equipamentos conectados, manter tudo atualizado torna-se um desafio para os usuários – e isso é um prato cheio para grupos de hackers, que veem na Internet das Coisas um novo alvo para invasão e receptação de dados.

A partir de então, hackear um circuito interno de TV torna-se fácil para quem pretende invadir a privacidade e até mesmo a residência de usuários desavisados. Invadir dispositivos conectados como carros e telefones pode revelar uma gama de informações sobre o dia a dia e os hábitos de alguém ou até mesmo causar acidentes no trânsito. E usar IPs de geladeiras e microondas para transformá-los em robôs de SPAM nunca foi tão convidativo. Foi-se o tempo em que deveríamos nos preocupar apenas com nossos computadores conectados à internet.

Diante dessa nova realidade, surge, como de praxe, uma nova preocupação: a segurança na Internet das Coisas. Afinal, o que fazer para proteger equipamentos conectados da ação de hackers? Na verdade, como o conceito está começando a tomar forma agora, poucos fabricantes se atentaram para isso. Tornar os produtos mais seguros ainda não está nos planos da maioria das empresas que apostam neste segmento – e quem perde com isso é o usuário, ou consumidor da tecnologia.

Com a velocidade com que a tecnologia avança, em breve teremos que nos atentar para a questão da segurança em todos os dispositivos de nossa casa. E, com a Internet das Coisas, um novo conceito de segurança da informação está prestes a surgir, para o bem de todos que já começaram a aderir à nova tecnologia. Afinal, a preocupação agora se estende para além dos computadores e smartphones: será preciso ficar de olho e proteger uma gama de equipamentos domésticos a fim de que a privacidade e a segurança sejam mantidas.

Com um maior número de "portas de entrada" para nossos lares, dados, informações e vida privada, como nos protegeremos? Será que o conceito atual de rede segura, firewall, antivírus e senhas biométricas serão suficientes para nos mantermos longe das ameaças ou também veremos uma completa revolução nos meios de proteção? É nitido como a internet está mudando nossa forma de viver e certamente continuaremos vendo novas formas de usá-la, o que exigirá mudanças nas formas de nos proteger também. É uma questão de tempo...pouco tempo. E que as empresas se atentem para isso antes que seja tarde demais.

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.