Governo do Irã bloqueia redes VPN para intensificar seu filtro de internet

Por Redação | 11.03.2013 às 14:00

O governo do Irã bloqueou no último final de semana as redes VPN (Virtual Private Networks) no país, que eram utilizadas por muitos cidadãos para furar o filtro de internet vigente no país e acessar sites e conteúdos considerados 'ilegais'. Os internautas iranianos continuarão podendo adquirir VPNs legais e registradas pelo governo, principalmente, aqueles que trabalham com instituições financeiras e precisam de uma rede segura. As informações são da agência de notícias Reuters.

Internautas iranianos confirmaram à reportagem da Reuters que todas as redes VPNs ilegais foram desativadas, impedindo que os cidadãos acessem redes sociais de origem norte-americana como Facebook e Twitter, ou usem serviços como o Skype, da Microsoft. E junto com o bloqueio, as autoridades iranianas também restringiram o acesso ao Google e ao Yahoo!.

Rumores indicam que o Irã estaria bloqueando a internet com mais severidade devido à proximidade das eleições presidenciais, que acontecerão em junho deste ano. O governo quer evitar incidentes parecidos com os que aconteceram durante o pleito presidencial de 2009, quando manifestantes usaram as redes sociais e e-mails para se comunicar uns com os outros durante os protestos do 'Green Movement'.

Além do bloqueio das VPNs, o Irã também planeja criar e disponibilizar uma intranet para os cidadãos locais, onde as autoridades poderão controlar tudo que os iranianos estão acessando na rede, incluindo restrições de acesso a redes sociais. E no final do ano passado, o país lançou sua própria versão do YouTube, garantindo assim que os internautas iranianos tenham acesso apenas a conteúdos apropriados e livres de manifestações anti-islâmicas.