Google rebaixa sites que cobram para retirar fotos de presos da internet

Por Redação | 07 de Outubro de 2013 às 16h54
Tudo sobre

Google

O Google está trabalhando para lidar com um problema um tanto inusitado: sites que postam fotos da ficha criminal das pessoas (também conhecidas como mugshot), em seguida disponibilizam o link nos principais motores de busca e exigem um pagamento para retirá-las do ar.

O New York Times revelou que esses sites cobram uma taxa que pode variar entre US$ 30 e US$ 400, ou até mais, para remover da web as fotos de pessoas que foram presas. O que torna esses sites populares é o fato de eles aparecerem no topo dos resultados de pesquisa do Google sempre que o nome de alguém que tenha sido preso em algum momento de sua vida é pesquisado.

O periódico norte-americano alega que o Google não penaliza esses sites por obter as suas imagens e texto a partir de fontes terceiras – algo que é contra a ética do gigante das buscas, já que os sites devem ser promovidos apenas se tiverem material original, e rebaixados em caso de cópias.

Assista Agora: Descubra o jeito certo de criar verdadeiros times de alta-performance e ter a empresa inteira focada em uma única direção.

Mugshot Bill Gates

Mugshot do fundador da Microsoft, Bill Gates, em 1977, quando foi preso por dirigir em alta velocidade (Imagem: Internet)

No entanto, o Google já descobriu que esses sites aparentemente não cumprem determinadas orientações e tomou medidas para rebaixá-los desde a última quinta-feira (03), quando lançou uma alteração em seus algoritmos que empurrou as webpages com mugshots para o final dos resultados de pesquisa, além de retirá-las da primeira página.

O artigo do New York Times aborda o assunto de uma maneira completa, explicando como esse tipo de negócio pode afetar a vida de pessoas que já cumpriram suas dívidas com a justiça e acabam prejudicadas pela divulgação dessas imagens associadas a buscas por seus nomes. Apesar dessas fotos tiradas pela polícia serem públicas, elas não são listadas nos motores de busca, a não ser quando disponibilizadas por sites específicos com tags e palavras-chave próprias.

O texto também chama a atenção para as empresas financeiras que permitem que esses sites recebam pagamentos por serviços de remoção de mugshots. Em última análise, a MasterCard disse que está em processo de encerramento das contas de sites de mugshots, enquanto o PayPal também disse que está colocando um fim ao suporte para tais tipos de pagamentos. A American Express e a Discover disseram que também estão desativando o suporte a contas de sites de mugshots, enquanto a Visa diz que pediu aos bancos para investigarem as práticas comerciais desses sites.

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.