'Está chegando': fundador do Megaupload deixa pistas sobre a volta do site

Por Redação | 24 de Setembro de 2012 às 16h13

O retorno do MegaUpload está próximo! Kim Dotcom, fundador do serviço, postou recentemente em seu Twitter: "Updates rápidos no novo Mega: 90% do código está pronto. Os servidores estão a caminho. Advogados, parceiros e investidores já estão prontos. Sejam pacientes. Está chegando".

O serviço de compartilhamento de arquivos de Dotcom foi fechado pelo FBI em janeiro deste ano, por influenciar a pirataria e infrações de direitos autorais. Mas já faz tempo que Dotcom vem dando pistas no Twitter de que o serviço não acabou e que vai voltar melhor do que nunca. "MEGA vai voltar. Maior. Melhor. Mais rápido. Livre de custos e protegido contra ataques", afirmou o fundador do site em julho. Semanas depois, ele disse no microblog que o novo Mega seria "100% seguro e livre de ameaças".

Depois de ter perdido o controle do Megaupload e visto todo seu trabalho ir por água abaixo, Dotcom sentiu-se na função de revolucionar a maneira como as pessoas compartilham conteúdo na web. Ele está lutando contra sua extradição da Nova Zelândia para os Estados Unidos para responder por extorsão, infração de direitos autorais, lavagem de dinheiro e outros crimes. O fundador do Megaupload até lançou um videoclipe convidando as pessoas para unirem-se a ele no objetivo de combater interesses governamentais e corporativos que estejam tentando controlar a internet.

Ele alega ser inocente e seus argumentos são simples: sua empresa não deveria ser culpada pelo que as pessoas hospedam no site. Desde que foi preso, no início do ano, Dotcom está lutando contra a extradição para os EUA.

O caso voltou à tona quando, nesta segunda-feira (24), o primeiro-ministro neozelandês John Key anunciou a abertura de um inquérito sobre as ações de uma das agências de inteligência do país, que auxiliou a polícia no caso MegaUpload.

Key pediu uma investigação sobre "interceptação ilegal de comunicações" de indivíduos não identificados no caso. A espionagem de comunicações foi realizada pela Agência de Segurança de Comunicações do Governo da Nova Zelândia - a GCSB, um órgão semelhante à Agência de Segurança Nacional dos Estados Unidos. A GCSB está proibida de ouvir as comunicações de cidadãos e residentes neozelandeses.

Key disse em um comunicado nacional que está desapontado com as atitudes da GCSB. "Espero que nossas agências de inteligência operem sempre dentro da lei. Suas operações dependem da confiança pública", afirmou.

Enquanto todo o caso se desenrola, os usuários ficam na expectativa pela volta do MegaUpload. E pelo jeito, Kim Dotcom não está para brincadeira.

Siga o Canaltech no Twitter!

Não perca nenhuma novidade do mundo da tecnologia.