Empresa criadora do torrent quer construir uma internet (quase) sem servidores

Empresa criadora do torrent quer construir uma internet (quase) sem servidores

Por Redação | 15 de Dezembro de 2014 às 09h21

Todas as coisas disponíveis na internet estão armazenadas em servidores. Tais máquinas servem a todos os usuários, mas se saírem do ar, forem destruídas, quebrarem ou deixarem de operar, levam com elas todas as informações. Manter uma infraestrutura desse tipo, disponível o tempo todo, é caro e extremamente difícil - um aspecto que a BitTorrent deseja mudar.

A organização, que trabalha em projetos de código aberto baseados na tecnologia P2P, anunciou na semana passada o Maelstrom, um novo navegador que leva o conceito dos torrents também à navegação convencional. A ideia é a mesma do compartilhamento de um filme ou arquivo via torrent – ao invés de estarem hospedados em um servidor central, os dados podem estar espalhados pelos computadores de usuários finais ao redor do mundo, sendo entregues a outras pessoas desta maneira.

Assim, para a BitTorrent, a internet funcionaria na base da popularidade. Quanto mais acessado um site, mais veloz será sua conexão a ele, uma vez que mais pessoas disponibilizarão tais arquivos. É claro, os servidores e a infraestrutura central ainda serão necessários para dar suporte a todo o sistema, mas sua manutenção será muito mais barata simplesmente por ser necessário um menor número de computadores para que tudo funcione.

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

O presidente da organização, Eric Klinker, aponta também para um efeito secundário do Maelstrom: como os sites não ficarão mais hospedados em um endereço central, será mais difícil tirá-los do ar. Nessa arquitetura baseada em centenas de máquinas de usuários comuns não existiria censura e o conteúdo relevante, mesmo que apenas em partes, continuaria existindo sem que seja possível rastrear seu ponto de origem.

Por enquanto, porém, o projeto ainda está longe de ser aplicado na prática. O Maelstrom ainda se encontra em fase de testes e um kit de desenvolvimento de software será liberado no começo de 2015 para os interessados em trabalhar na plataforma. Além disso, os convites para baixar o novo navegador ainda começarão a ser enviados. Quem quiser experimentá-lo, basta se cadastrar no site oficial do projeto e aguardar ser convidado.

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.