Corte egípcia ordena a suspensão do YouTube no país devido a vídeo anti-islâmico

Por Redação | 11.02.2013 às 13:00

No último sábado (9), uma corte do Egito ordenou a suspensão do serviço de compartilhamento de vídeos YouTube, de propriedade do Google, por um mês no país devido à transmissão do trailer do filme norte-americano anti-islâmico considerado como um insulto ao profeta Maomé. As informações são da Reuters.

O vídeo, anunciado como trailer do filme 'Inocência dos Muçulmanos', tem treze minutos de duração e já causou uma série de protestos contrários aos Estados Unidos no Egito, Líbia e muitos outros países muçulmanos em setembro do ano passado. O profeta Maomé é retratado no vídeo como "tolo e com desvio sexual", o que é considerado uma injúria pelos islâmicos.

A corte informou que estava trabalhando na análise do caso há alguns meses, mas não informou detalhes sobre a ação. O tribunal também afirma que o YouTube teria "insistido em transmitir o filme insultando o profeta e o Islã, desrespeitando as crenças de milhões de egípcios e desconsiderando a revolta de todos os muçulmanos".

A Autoridade Reguladora de Telecomunicações do Egito informou que irá cumprir a ordem judicial assim que receber uma cópia da decisão, e Maha Abouelenein, porta-voz do Google no país, afirmou que empresa ainda não foi notificada formalmente sobre o veredicto da justiça.