CEO do MtGox é intimado a dar explicações sobre perda de Bitcoins

Por Redação | 15 de Abril de 2014 às 09h28

A novela do fim do MtGox, um dos maiores câmbios online de Bitcoins do mundo, esfriou mas parece estar longe de acabar. Nesta segunda-feira (14), uma corte norte-americana ordenou que o CEO da plataforma, Mark Karpeles, compareça aos Estados Unidos em 17 de abril para prestar esclarecimentos sobre a falência do serviço e a perda de 750 mil moedas virtuais.

O serviço tem sua base de operações em Tóquio, no Japão, onde o diretor também reside. No entanto, desde fevereiro Karpeles tem evitado aparecer publicamente após entrar com um pedido de concordata para o MtGox, alegando que os bens da empresa não são suficientes para suprir o rombo de US$ 400 mil causado pelo roubo das Bitcoins.

O problema é que a diretoria da empresa, de acordo com a corte norte-americana, não forneceu informações suficientes sobre a falha de segurança que teria levado ao desaparecimento das moedas. Além disso, segundo a agência Reuters, clientes e funcionários acusam o MtGox de ter desviado o dinheiro de seus usuários para fins próprios, além de usar as moedas para custos de administração da própria companhia.

PECHINCHAS, CUPONS, COISAS GRÁTIS? Participe do nosso GRUPO DE DESCONTOS do Whatsapp e do Facebook e garanta sempre o menor preço em suas compras de produtos de tecnologia.

O envolvimento da justiça dos Estados Unidos com o MtGox começou quando Karpeles solicitou que uma corte do estado de Dallas concedesse proteção à empresa sob o Capítulo 15 da lei norte-americana de falências. Trabalhando sob a cláusula, os bens da empresa podem ser protegidos dos credores até que o processo de recuperação e reestruturação da companhia seja concluído.

O pedido vem em resposta a uma ação conjunta que foi registrada em Chicago por um grupo de clientes do MtGox. Como o próprio Karpeles registrou o pedido, a corte de Dallas acabou solicitando o comparecimento dele aos EUA como parte do processo. Representantes do diretor afirmaram que ele poderia ser substituído por um representante, mas a ideia não agradou à juíza responsável pelo caso.

A Reuters não entrou em detalhes sobre o que pode acontecer caso o executivo não compareça à audiência no dia 17 de abril. De qualquer maneira, ele deve estar presente na audiência relacionada a seu pedido de proteção, que está marcada para maio.

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.