6,4 bilhões de aparelhos estarão conectados em 2016

Por Redação | 16.11.2015 às 08:54

Se o mercado de smartphones cada vez mais dá sinais de retração, parece que não existem limites para o mundo da Internet das Coisas. Números divulgados pelo Gartner preveem um total de 6,4 bilhões de dispositivos conectados até o final do ano que vem, um aumento de 30% em relação ao que é previsto para o encerramento de 2015.

Além das fabricantes em si, a indústria de serviços tem muito a ganhar com esse crescimento. A expectativa é de ganhos na casa dos US$ 235 bilhões na medida em que empresas de todos os tamanhos contratam fornecedores para instalação e operação de sistemas de Internet das Coisas. Isso sem falar nas plataformas de conectividade, com companhias de hospedagem na nuvem e operadoras de internet também recebendo parte dos lucros. No total, a previsão é de um faturamento de US$ 868 bilhões.

Enquanto os maiores gastos estarão no mundo cooperativo, o maior número de dispositivos conectados estará nas casas das pessoas. Com os carros conectados sendo os maiores focos de atenção pelo usuário final, a expectativa é de que, do total de 6,4 bilhões de aparelhos ligados, 4 bilhões estejam nas mãos dos consumidores, que gastarão mais de US$ 546 bilhões na compra de dispositivos e também para manter toda essa estrutura funcionando.

Até 2020, os números são ainda mais épicos e estão de acordo com as previsões astronômicas de outras consultorias. O Gartner prevê que, daqui a cinco anos, usuários finais estarão gastando mais de US$ 1,5 trilhão com dispositivos conectados, um valor que é três vezes maior que a expectativa para o fim do ano que vem. Já no setor corporativo, a consultoria espera um faturamento de US$ 911 bilhões.

Fonte: Gartner