Pesquisa mostra que brasileiro é favorável a dispositivos de Internet das Coisas

Por Redação | 20 de Setembro de 2017 às 16h06

Um dos países mais conectados do mundo, o Brasil agora conquista um lugar no pódio entre as nações que mais apoiam a Internet das Coisas (IoT, do inglês Internet of Things). A pesquisa feita pela Unisys Security Index mostra que os brasileiros estão entre aqueles que procuram soluções a fim de tornar seu dia fácil e produtivo.

Em vários dos quesitos pesquisados, os brasileiros aparecem com altos índices de aprovação. Por exemplo, 92% são favoráveis à implementação de um botão de emergência em celulares e relógios inteligentes para alertar a polícia sobre sua localização em caso de uma emergência. Dos 13 países pesquisados, somente dois tiveram resultados superiores: Colômbia e Filipinas empataram com 94% de aprovação.

Em outra questão, sobre o uso de sensores para localizar bagagens nos aeroportos, 88% dos consumidores brasileiros aprovam a ideia, índice acima da média global, que é de 74%. A Colômbia ficou em primeiro lugar, com 91% de aprovação, seguida por Brasil, México (86%) e Argentina (81%).

Apps financeiros preocupam

O estudo mostra que existe preocupação na utilização de dispositivos conectados por IoT e aplicativos que têm alguma relação com dinheiro ou que são monitorados por terceiros. Nas questões associadas a esses temas, os índices de aprovação caem. 

Há preocupação com o compartilhamento de informações privadas, o que aponta para a necessidade de controlar quando e quem pode utilizá-las.

O uso de aplicativos de bancos ou empresas de cartão de crédito para fazer compras por meio de relógios inteligentes tem apoio de 51% dos brasileiros, número maior do que os da Nova Zelândia (27%), Holanda (22%) e Bélgica (21%). No total, 46% reprovam essa aplicação e 36% são favoráveis a ela.

A aplicação de IoT mais questionada foi a identifiação do comportamento de usuários pelas seguradoras de saúde, com acesso a dados via smartwatch. Somente 33% dos consumidores apoiam a iniciativa, contra 53% favoráveis. Já o Brasil não é tão rígido: 50% concordam com o envio de suas informações para os planos de saúde diretamente do pulso.

Sobre a pesquisa

O estudo Unisys Security Index 2017 foi feito por meio de entrevistas on-line, realizadas entre 6 e 18 de abril de 2017, com uma amostra representativa de 1.000 participantes adultos dos seguintes países: Argentina, Austrália, Bélgica, Brasil, Colômbia, Alemanha, Malásia, México, Holanda, Filipinas, Nova Zelândia, Reino Unido e Estados Unidos. Em cada índice nacional, a margem de erro é de 3,1%, para mais ou para menos, com nível de confiança de 95%.

Instagram do Canaltech

Acompanhe nossos bastidores e fique por dentro das novidades que estão por vir no CT.