Junto às Cataratas, uma vitrine brasileira de tecnologias em smart cities

Junto às Cataratas, uma vitrine brasileira de tecnologias em smart cities

Por Beto Marcelino | 05 de Agosto de 2021 às 10h00
Imagem: Kiko Sierich

Bairro histórico de Foz do Iguaçu, bastante ligado à usina de Itaipu, a Vila A acaba de se tornar um ambiente pioneiro de testes para tecnologias e soluções que, se validadas, poderão ser implementadas em municípios de todo o país. Recém-inaugurado, o projeto Vila A Inteligente tem o formato de “sandbox” – área livre de regulação para testes e validações de tecnologias de cidades inteligentes, delimitada em decreto – em busca de melhorar a qualidade de vida das pessoas.

Em outras palavras, agora temos no Paraná um ambiente onde as empresas vão poder testar suas tecnologias, validar com a população do bairro e, se aprovadas, replicar para todo o município. Mais do que uma vitrine, a Vila A Inteligente é um think tank de oportunidades para integrar as empresas de vanguarda do Brasil e do exterior, além de encaminhar Foz do Iguaçu como referência nacional para o ecossistema de smart cities.

Outro fator importantíssimo desse “sandbox” são as possibilidades de diversificação da economia, como base para a inovação e sustentabilidade, além de fortalecer o turismo de negócios e o empreendedorismo na região Oeste do Paraná.

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

Tecnologias aplicadas

Na semana passada, eu pude conhecer algumas das tecnologias que estão sendo implementadas na Vila A. As aplicações são variadas, desde a segurança pública até a mobilidade urbana, com melhorias no trânsito de veículos e pessoas.

A partir de tecnologias de reconhecimento de imagens, é possível criar uma base de dados para identificar veículos, acompanhar moradores e pessoas que circulam no bairro. A princípio, essas informações serão monitoradas pelo Centro de Controle e Operações, no Laboratório Vivo de Cidades Inteligentes instalado no Parque Tecnológico de Itaipu. 

Na área de mobilidade, serão instalados semáforos inteligentes para acompanhar o trânsito de veículos nos principais cruzamentos; pontos de ônibus com painéis LED, com informações sobre a circulação das linhas e carregadores de celular; e estacionamentos inteligentes com sensores, que permitem visualizar a disponibilidade das vagas. Também está sendo viabilizado o compartilhamento de bicicletas e a construção de uma ciclovia de cinco quilômetros de extensão.

Outra tecnologia, que deve beneficiar a área ambiental, é o monitoramento da coleta seletiva de resíduos do bairro, com acompanhamento da população. Sensores também serão utilizados para monitorar parâmetros ambientais e meteorológicos da região, volume de dados que vai fornecer insumos para melhorar a gestão ambiental da Vila A. 

Na área da integração social, está prevista a instalação de totens de segurança para a denúncia de atos criminosos e o desenvolvimento de um aplicativo em que os moradores poderão, pelo celular, acessar todos os dados e informações gerados nas soluções tecnológicas implementadas. 

Como entusiasta de projetos e soluções em cidades inteligentes há dez anos, fico imensamente realizado ao ver o Paraná se firmando como protagonista desse ecossistema no Brasil. A maior vantagem desse movimento é promover, cada vez mais, a integração entre poder público, iniciativa privada, o ambiente empreendedor e a academia, tendo o objetivo comum de otimizar nosso dia a dia e levar mais facilidades ao cidadão.

*Artigo produzido por colunista com exclusividade ao Canaltech. O texto pode conter opiniões e análises que não necessariamente refletem a visão do Canaltech sobre o assunto.

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.