TI híbrida: a nova realidade

Por Colaborador externo | 19 de Maio de 2016 às 17h51

Por Kong Yang*

As infraestruturas de TI estão evoluindo do sistema tradicional destinado a apenas um local para estratégias híbridas que vinculam serviços de TI internos e externos motivados pela existência da nuvem. Para esclarecer melhor as novas preocupações e pressões criadas por essa evolução, a SolarWinds lançou recentemente o Relatório de tendências de TI da SolarWinds de 2016: a evolução da TI híbrida, nosso estudo anual que consiste em um levantamento baseado em pesquisa e que explora tendências, desenvolvimentos e movimentos significativos relacionados à TI e aos profissionais de TI ou que os afetem diretamente.

As conclusões do relatórios deste ano (que se baseiam em uma pesquisa em campo conduzida em dezembro de 2015 que produziu respostas de 111 profissionais, gerentes e diretores de TI de empresas de pequeno, médio e grande portes no Brasil) apresentam um panorama claro: a adoção da nuvem é quase universal, mas não é, e provavelmente nunca será, adequada para todas as cargas de trabalho. O resultado, um conjunto de serviços no local conectado com outro conjunto de serviços na nuvem, é a TI híbrida. No centro dessa evolução está o profissional de TI.

Partindo desse ponto, apresentamos uma visão geral das principais conclusões do relatório:

As infraestruturas de TI evoluíram do sistema tradicional destinado a apenas um local para estratégias híbridas que vinculam serviços de TI internos e externos motivados pela existência da nuvem.

  • Quase todos (98%) os profissionais de TI brasileiros pesquisados dizem que a adoção de tecnologias de nuvem é importante para o sucesso dos negócios da organização a longo prazo; quase um terço (31%) diz que é extremamente importante.
  • Apenas 43% estimam que metade ou mais da infraestrutura de TI total de suas organizações estará na nuvem dentro dos próximos 3 a 5 anos.
  • 64% dizem que é improvável que toda a infraestrutura de suas organizações seja migrada um dia para a nuvem.
  • No total, apenas 15% dizem que suas organizações não migraram nenhuma parte da infraestrutura para a nuvem, em comparação com 21% em 2015.

Os profissionais de TI no Brasil são confrontados com um duplo mandato: aumentar a eficiência por meio de serviços de nuvem e, ao mesmo tempo, garantir que sistemas críticos, bancos de dados e aplicativos estão seguros.

  • Os três principais benefícios da TI híbrida por classificação ponderada são flexibilidade/agilidade aumentada da infraestrutura, redução de custos da infraestrutura e mais opções de serviços que escalam, respectivamente.
  • 66% dizem que a segurança é o maior desafio associado com o gerenciamento dos ambientes de TI híbrida atuais.
  • Os três principais obstáculos a uma maior adoção da nuvem por classificação ponderada são preocupações de segurança/conformidade, preocupações sobre gestão de ambientes com vários fornecedores e convencer líderes empresariais da necessidade e/ou benefício, respectivamente.
  • 66% dizem que já migraram aplicativos para a nuvem, a principal resposta, seguida por armazenamento (36%) e bancos de dados (35%).
  • As três principais áreas de infraestrutura com a mais alta prioridade para a migração contínua ou futura por classificação ponderada são armazenamento, aplicativos e bancos de dados, respectivamente.

Os profissionais de TI brasileiros precisam de novas habilidades, ferramentas e recursos para conduzir com sucesso a continuação da migração da TI híbrida e permitir que as suas organizações melhor atendam os objetivos de negócios.

  • Apenas 31% estão confiantes que suas organizações de TI têm atualmente os recursos adequados para gerenciar um ambiente híbrido de TI.
  • As cinco principais habilidades necessárias para gerenciar melhor os ambientes híbridos de TI são ferramentas e métricas de monitoramento/gerenciamento de TI híbrida (65%), arquiteturas distribuídas (55%), arquiteturas orientadas a serviços (51%), migração de aplicativos (43%) e gestão de fornecedores (39%).
  • Apenas 35% indicaram que têm o nível de apoio necessário da liderança e da organização como um todo para desenvolver/melhorar as habilidades das quais eles sentem que precisam, a fim de gerenciar melhor ambientes híbridos de TI.

Então, o que exatamente os profissionais de TI devem fazer? Por fim, considere as seguintes recomendações:

Estabelecer o foco no usuário final e a orientação para serviços

O objetivo principal da TI moderna é oferecer uma qualidade de serviço (QoS) superior aos usuários finais, de modo a assegurar a produtividade do negócio. Com esse propósito, a minimização dos atritos entre silos departamentais acelera atualizações, mudanças e implantações, bem como o tempo de resolução de problemas, o que proporciona uma experiência melhor ao usuário final. Os profissionais de TI que operam em ambientes de TI híbrida devem considerar a utilização dos princípios de uma abordagem DevOps para chegar a escolhas mais rápidas e que permitam melhor provisionamento, maior agilidade e eficiência organizacional. Assim, é possível implementar mais rapidamente atualizações e alterações à infraestrutura, o que torna os serviços de TI, locais ou em nuvem, mais ágeis, simples e escalonáveis.

Otimizar a visibilidade

Em ambientes de TI híbrida, com a necessidade de gerenciar tanto recursos no local quanto na nuvem, é essencial contar com um conjunto de ferramentas de gerenciamento e monitoramento que faça emergir um único ponto de verdade entre essas plataformas. A normalização de métricas, alertas e outros dados coletados de aplicativos e de cargas de trabalho, independentemente da localização, permitirá uma abordagem mais eficaz para a correção, a solução de problemas e a otimização.

Aplicar o monitoramento como disciplina

No mundo da TI híbrida, repleto de novas complexidades, o monitoramento não pode mais ser algo secundário. Ao estabelecer o monitoramento como uma responsabilidade essencial da TI (conhecido como monitoramento como disciplina), as organizações podem beneficiar-se de uma estratégia de gerenciamento de TI muito mais proativa, ao mesmo tempo que otimizam o desempenho, o custo e o protocolo de segurança da infraestrutura.

Aprimorar o tino comercial

À medida que os serviços de TI são fornecidos pelos provedores de serviços, os profissionais de TI precisam melhorar a seguinte tríade: o tino comercial para gerenciar fornecedores, o conhecimento técnico para entender e utilizar os serviços em nuvem disponíveis e o gerenciamento de projetos. Tudo isso exigirá a habilidade de gerenciar orçamentos, fluxos de trabalho e prazos de projetos com eficácia, dissecar termos e condições, e entender os contratos de nível de serviço e como eles se relacionam à QoS em geral que precisa ser fornecida.

Enfatizar o desenvolvimento e o aprimoramento de competências e conhecimento técnicos fundamentais

Para serem bem-sucedidos no mundo da TI híbrida, os profissionais de TI da atualidade precisam ir além dos papéis tradicionais de generalistas e especialistas e se tornar especialistas em múltiplas áreas, transitando por diversos domínios tecnológicos. As mais importantes competências e conhecimentos que os profissionais de TI precisam desenvolver ou aprimorar para serem bem-sucedidos no gerenciamento de ambientes de TI híbrida são: arquiteturas orientadas a serviços, automação, gerenciamento de fornecedores, migração de aplicativos, arquiteturas distribuídas, ferramentas e métricas de gerenciamento e monitoramento de TI híbrida e API.

Você pode explorar mais detalhadamente as conclusões do relatório sobre o Brasil e o mundo no Índice de tendências de TI da SolarWinds.

híbrida

*Kong Yang é gerente técnico da SolarWinds.

Instagram do Canaltech

Acompanhe nossos bastidores e fique por dentro das novidades que estão por vir no CT.