Como o cenário de crise deve impulsionar a evolução tecnológica

Como o cenário de crise deve impulsionar a evolução tecnológica

Por Samir Vani | 16 de Abril de 2020 às 10h00
undrey/Depositphotos

O ano de 2020 tem se mostrado muito mais desafiador do que esperávamos. A chegada de um vírus de rápida disseminação nos empurrou para uma situação que nossa geração nunca tinha vivido, com a necessidade do distanciamento social. Resultado: muitos de nós se viram obrigados a mudar seu estilo de trabalho e vida muito rapidamente, para proteger nossas vidas.

Nesse cenário, a tecnologia se mostrou um grande aliado, tornando menos pesado e mais produtivo esse processo de migração para um novo estilo. E as empresas que estavam melhor preparadas, com soluções de trabalho remoto mais robustas já integradas aos seus processos internos, saíram na frente. Obviamente, a crise econômica que já aparece no horizonte atingirá em maior ou menor escala a maioria das empresas, com vantagem para quem tem sua natureza e seu modelo de negócio adaptado ao ambiente virtual.

O primeiro ponto para entendermos o impacto positivo da tecnologia no momento atual é sua capacidade de nos ajudar a nos adaptar a uma nova maneira de trabalhar. Home office se tornou a palavra de ordem. Graças ao fato de podermos permanecer conectados com smartphones e redes sem fio, temos, para muitas profissões, a capacidade de trabalhar remotamente. No início do ano 2000, por exemplo, era quase impensável que pudéssemos receber informações em tempo real e manter um bate-papo com nossos clientes por teleconferências como uma maneira eficiente de trabalhar em equipe. Mas hoje todas essas possibilidades são realidade.

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

Muitas empresas rapidamente se organizaram para manter a comunicação entre colaboradores e clientes ativas e não deixar de entregar seus produtos ou serviços. Esse primeiro passo foi realizado, utilizando como meio nossos smartphones e computadores como nunca antes, e ajudando muitos de nós a nos manter conectados e produtivos. Alguns países, por exemplo, avançaram na criação de plataformas e aplicativos que permitem o registro online e buscam evitar a saturação dos serviços de saúde, enquanto outros mantêm uma linha direta de comunicação com seus cidadãos, graças a aplicativos e páginas de internet.

Olhando para a frente, fica evidente a necessidade de conectividade plena. Para qualquer país as conexões com ou sem fio se mostram de extrema importância. E com isso devemos aumentar a nossa compreensão sobre a importância de novas tecnologias, como o 5G, que irá pavimentar o terreno para novos serviços e possibilidades de negócio.

Mas além do passo já dado, se torna praticamente imperativo dar já o segundo, compreender e aceitar esse novo ambiente que começa a aparecer diante de nossos olhos, buscar novas formas de trabalhar, produzir e gerar melhores condições de vida em nosso país, ao mesmo tempo em que tenhamos consciência social e respeito à vida de todos. Devemos pensar na implantação de tecnologias que possam nos apoiar a continuar caminhando.

Alavancadas por esse mar de novas necessidades, as soluções de IoT se mostram uma fonte de novas possibilidades. Com usos em áreas e indústrias distintas, devem ser cada vez mais incorporadas, desde o início, com muita eficácia na captação e propagação de informações. Hoje, já temos estimadas 34 bilhões de conexões à internet das coisas, que mostram ter um futuro bastante promissor, com a possibilidade de uso de maior inteligência local e conexão entre várias áreas das empresas, conectando operações e processos.

Todos esses equipamentos (industriais, domésticos, de logística, etc.), não têm apenas a capacidade de se comunicar, mas podem também levar mais inteligência e novas possibilidades a novas áreas, e podem ser um suporte importante para as empresas realizarem antigas ou novas atividades. Afinal não se trata de apenas conectar equipamentos à Internet, mas também coletar o grande volume de dados gerados pelos bilhões de sensores e transformar em dados para a tomada de decisões, o chamado Big Data.

Dada essa motivação sem precedentes, é urgente o desenvolvimento de novas aplicações de Internet das Coisas que possam explorar possibilidades de melhorias, desde produtividade, segurança, até novas formas de se fazer negócio. Aqui fica evidente a importância de tendências como a AIoT (a Inteligência Artificial aplicada à Internet das Coisas), que permite acrescentar novas funções aos equipamentos e até mesmo simular a capacidade humana de pensar.

Aqueles que compreenderem plenamente e mais rapidamente esse novo ambiente, seus novos desafios e tenham a capacidade de liderar essa transformação com desenvolvimento de produtos, processos e conceitos, ganharão espaço e ajudarão suas empresas e colaboradores a enfrentar a esse novo modo de viver.

*Artigo produzido por colunista com exclusividade ao Canaltech. O texto pode conter opiniões e análises que não necessariamente refletem a visão do Canaltech sobre o assunto.

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.