Cientistas desenvolvem rede quase 100 mil vezes mais rápida que o 5G

Cientistas desenvolvem rede quase 100 mil vezes mais rápida que o 5G

Por Munique Shih | Editado por Claudio Yuge | 08 de Junho de 2022 às 12h00
Frederik Lipfert/Unsplash

Cientistas do Instituto de Pesquisa de Redes do Instituto Nacional de Tecnologia da Informação e Comunicações (NICT), no Japão, desenvolveram uma rede quase cem mil vezes mais rápida que o 5G. Os pesquisadores conseguiram quebrar o recorde mundial com uma transmissão de dados a uma velocidade de 1,02 petabit (PB) — 125 mil Gigabytes (GB) — por segundo.

O projeto foi feito por meio do uso de fibras ópticas com 0,125 mm de diâmetro. Segundo os cientistas, o sinal da rede foi capaz de alcançar uma distância de cerca de 51,7 km. Para o NICT, a conclusão da transmissão representa “um grande passo para a realização de links ópticos com taxa de transferência ultra-alta”.

“Essas fibras podem multiplicar a capacidade de transmissão, mas ainda são compatíveis com os processos de fabricação existentes e surgiram como um provável candidato para a adoção comercial de curto prazo dessa tecnologia de comunicação transformadora”, disse o NICT em seu comunicado oficial.

Esta não foi a primeira vez que a instituição conseguiu quebrar um recorde de transmissão de dados. Em dezembro de 2020, a instituição conseguiu desenvolver uma rede capaz de alcançar o marco de 1 petabit (PB) por segundo, por meio de equipamentos não padronizados. Porém, devido ao processamento de sinal, a implantação em larga escala não foi possível.

Os cientistas conseguiram uma transmissão de dados a uma velocidade de 1,02 petabit (PB) (Imagem: Reprodução/Unsplash/Jeremy Bezanger)

Aplicação da tecnologia

De acordo com o site de notícias asiático NextShark, a velocidade de transmissão suportaria uma transmissão de 10 milhões de vídeos separados em 8K simultaneamente. Porém, os cientistas não deram detalhes sobre a possível aplicação em massa da tecnologia.

Enquanto uma internet a base de petabits não chega para o uso em escala, as velocidades de 10 Gbps podem cumprir o papel de fornecer uma Internet mais rápida, visto que estão próximas de se tornarem uma realidade em breve.

Em fevereiro deste ano, um laboratório de inovação alegou que a Internet de 10 Gbps poderia estar disponível para uso antes do final desta década. A empresa de telecomunicações norte-americana Comcast atingiu velocidades de até 10 Gbps durante um teste, segundo a ONG CableLabs, em um lançamento em fevereiro.

Redes mais rápidas serão necessárias

Até o final da década, os requisitos de conectividade podem precisar ser aumentados para acomodar veículos autônomos, robótica avançada, o metaverso e a Internet das Coisas. Essas tecnologias emergentes exigirão taxas de dados cada vez mais rápidas, maior cobertura e o suporte de trilhões de dispositivos através de terminais robustos.

A capacidade 6G poderá ser necessária em até dez milhões de dispositivos no futuro. As operadoras sem fio estão em processo de implantação de redes 5G e já planejam a transição para o 6G.

Pesquisadores do Texas também desenvolveram recentemente interruptores de radiofreqüência que permitirão que uma variedade de dispositivos alcance velocidades mais rápidas, além de proporcionar maior vida útil às baterias.

Apesar de não se esperar que o 6G esteja disponível até 2030, as gigantes de tecnologia e de telecomunicações tem unido forças para se preparar para a chegada da rede com a implementação de padrões globais até 2024.

Fonte: Wionews,Interesting Engineering

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.