A engrenagem que movimenta a Black Friday no Brasil

Por Boris Kuszka | 27 de Novembro de 2017 às 16h05
photo_camera público

Se você leu o título desse artigo e pensou na força de compra ou nas propagandas que alimentam o desejo dos consumidores, saiba que vamos tratar de algo muito mais além, e que responde porque muitos sites caem durante os períodos de alta demanda ou porque determinado varejo tem resultados melhores que outros, mesmo com descontos menores, durante grandes campanhas como a Black Friday.

A resposta está na preparação de toda a infraestrutura de TI para oferecer um serviço ao consumidor com constância e qualidade, não importando se o acesso está sendo feito por 15 pessoas ao mesmo tempo ou por 15.000, de todas as partes do País.

Para se ter um ideia, e a dimensão de como a preparação é importante, a expectativa é que só o Estado de São Paulo movimente R$ 800 milhões durante a Black Friday deste ano, consolidando o primeiro lugar em vendas entre todos os estados brasileiros. E se você não tiver como atender, estará perdendo dinheiro literalmente, porque a distância entre um site e outro é de apenas um clique.

Conseguiu visualizar como a sua empresa precisa estar pronta para datas como a Black Friday, que já se tornou a principal em vendas para o comércio eletrônico nacional? Mas aí vem a pergunta: Como deixar a sua infraestrutura adequada a tantos clientes querendo aproveitar as promoções ao mesmo tempo?

A chave está em saber usar os recursos computacionais e de rede de maneira efetiva. Vamos supor que o seu data center lotou e você tem mais pessoas querendo acessar o site e comprar. Uma das melhores saídas para essa situação é ter outros data centers à disposição. E quando falamos em data center, não precisa ser necessariamente uma estrutura física. É possível mesclar com cloud pública, utilizando a ideia de transbordo.

Por outro lado, é relevante ter planos alternativos. Recomendo que você conte com mais de uma nuvem porque, da mesma forma que o site não atendeu, será que a nuvem não vai ser impactada na Black Friday? Essa é a ideia de multicloud onde, ao invés de apostar todas as suas fichas em uma cloud só, você já se prepara com várias clouds para utilizar caso haja necessidade de expansão ou transbordo. Neste caso, a decisão de qual nuvem utilizar levará em conta dois aspectos: preço e características técnicas - como disponibilidade, latência, níveis de serviço, entre outros -, de forma que haja um equilíbrio entre os dois fatores.

Mas será que só com data center e cloud pública você consegue disponibilizar um serviço eficiente e usar todo o potencial que a estrutura tem a oferecer? Infelizmente não. As empresas de varejo já repararam que ao mesmo tempo em que o site tem necessidade de atenção, o mesmo acontece com o aplicativo que interage com o cliente que está efetivamente comprando, e que precisa estar preparado para conseguir expandir em outros data centers.

O aplicativo desenvolvido da forma tradicional dificilmente vai conseguir funcionar em várias clouds ao mesmo tempo. Normalmente, ele é desenvolvido de forma monolítica, como um grande aplicativo indivisível, para rodar em máquinas virtuais. O grande problema de desenvolver em um monolito é que ele onera muito em termos de CPU e memória, ou seja, ocupa muita CPU e memória, pois existem áreas alocadas para o sistema operacional completo mais o aplicativo. Quando há a necessidade de atender uma demanda maior, é preciso alocar mais instâncias do aplicativo, em máquinas virtuais. Isso é lento e espaçoso ou, em outras palavras, sai caro alocar tanta CPU e memória e o tempo de reação para uma demanda repentina, como o auge da Black Friday, é lento e não atende.

Para que o aplicativo reaja com eficiência às demandas é necessário dividi-lo em pequenos pedaços - chamados de microsserviços - alocados em containers, que é um isolamento por software do microsserviço e de suas dependências (bibliotecas e frameworks do sistema operacional e linguagens). Com isso, o tempo de reação para atender à alta demanda é bem menor, pois colocar mais um container rodando é mais rápido do que colocar mais uma máquina virtual. Além disso, o espaço de CPU e memória é bem menor, no caso de container.

Neste caso, a melhor tecnologia, continua sendo a baseada em open source, como OpenShift e Kubernetes, que possibilita uma infraestrutura ágil, com a possibilidade de desenvolver o aplicativo em equipes multidiciplinares (geradas em microsserviços) e provisionar áreas para testes, homologação e produção com as mesmas características e a mais alta segurança, qualidade e inovação tecnológica (veja o artigo de setembro de 2017: desmistificando os containers).

Plataformas de containers modernas como o OpenShift, por exemplo, conseguem identificar onde está o gargalo no aplicativo, ou seja, qual pedaço dele está segurando o atendimento ao seu cliente e está impedindo a compra do produto na Black Friday. Para resolver o problema, a plataforma de container cria novas instâncias dos microsserviços necessários em qualquer lugar, seja no data center ou na cloud, seguindo as políticas de custo e SLA (nível de serviço).

A tecnologia open source também contribui com o varejo - e com tantos outros segmentos - ao permitir a análise dos dados coletados durante a Black Friday. Isso significa conhecer os gostos e hábitos de consumo de cada usuário que visitou a loja virtual. Para isso, utiliza-se de inteligência artificial e business intelligence, permitindo que se criem promoções focadas em cada perfil com a possibilidade de, até mesmo, recuperar uma compra não realizada. Tudo de uma forma natural, para aproximar ainda mais a marca do cliente, com aceitação plena por parte dele.

Você sabia, por exemplo, que tecnologias como a virtualização de dados e motores open source como o Hadoop, Spark e JBoss Data Virtualization conseguem integrar não só as informações de consumo do seu site, mas também cruzar dados de redes sociais?

As tecnologias atuais tem muito a oferecer, tanto para empresas como para os consumidores. Basta saber utilizar cada recurso em sua totalidade, mas de maneira inteligente, eficiente e ágil. Essa é a verdadeira engrenagem que movimenta não só a Black Friday, mas todos os tipos de negócios de sucesso. Boas vendas!

Fique por dentro do mundo da tecnologia!

Inscreva-se em nossa newsletter e receba diariamente as notícias por e-mail.