Monitorar as infraestruturas de TI também é uma opção para as PMEs

Por Colaborador externo | 03 de Dezembro de 2014 às 11h24

por Carlos Echeverría*

Embora historicamente apenas as grandes empresas monitorem a largura de banda e a disponibilidade de sua infraestrutura de TI, hoje quase todas as empresas de médio porte já aderiram a um sistema de monitoramento de rede. E mais do que nunca existem diversas possibilidades de parâmetros a serem monitorados. Antes de adquirir uma solução, vários aspectos fundamentais devem ser considerados pelos tomadores de decisão. Caso contrário, eles podem perder-se no emaranhado das inúmeras funcionalidades e nos modelos de licenciamento não transparentes.

O cenário de TI de muitas organizações de médio porte é tão complexo como aqueles das grandes empresas, diferenciando-se apenas pela menor escala. Pequenas e médias empresas (PMEs), muitas vezes, têm uma equipe reduzida de TI - ou até mesmo um único administrador. Hoje, o funcionamento da infraestrutura de TI, incluindo a rede da empresa, é imprescindível para o sucesso do negócio. Ferramentas, como soluções de monitoramento de rede, estão tornando-se ainda mais importante para as pequenas empresas. Gargalos ou falhas durante a troca de dados podem interromper processos críticos, resultando em um impacto negativo. O monitoramento contínuo - tanto de servidores quanto da rede - é, portanto, ainda mais importante, pois possibilita a identificação e correção de problemas antes que ocorra um dano maior.

O que levar em consideração

Ao procurar uma solução de monitoramento, PMEs devem especificar quais áreas do ambiente de rede devem ser monitoradas. Além do habitual acompanhamento de firewalls, switches e servidores, soluções de monitoramento modernas oferecem várias opções. A fim de definir a gama necessária de funções da solução de monitoramento, as pessoas responsáveis devem analisar todos os componentes críticos. É importante considerar quaisquer expansões futuras, como por exemplo, a virtualização de áreas específicas está planejada? Devem ser implementados VoIP ou IPV6? O monitoramento de filiais deve ser incluído num futuro próximo? Geralmente é mais dispendioso - e exige mais esforço mudar para uma nova solução ou implementar ferramentas adicionais, do que implantar desde o início um software de monitoramento abrangente.

Exigências cada vez maiores

As soluções modernas de monitoramento de rede comprovam que soluções múltiplas, caras e personalizadas, não são necessárias, já que elas permitem muito mais do que o simples monitoramento da largura de banda e da disponibilidade. Soluções acessíveis que fornecem dados sobre quase todos os processos da rede podem ser encontradas no mercado. Elas não apenas monitoram e disparam alarmes caso ocorram erros, mas também são capazes de apoiar ativamente a equipe de TI a lidar com os problemas ocasionados ao reiniciar serviços ou na execução de arquivos .exe, por exemplo.

Ferramentas modernas de monitoramento de rede oferecem aplicativos correspondentes para dispositivos móveis que permitem aos usuários confirmar alarmes ou consultar informações por meio de gráficos e mapas mesmo quando distantes de seu local de trabalho. Dashboards em tela cheia especialmente criados para tablets e Smart TVs também são convenientes.

Por fim, o preço é um importante fator de decisão na seleção de um software de monitoramento de rede. É importante conhecer as armadilhas de custos, visto que muitos fornecedores oferecem modelos de licenciamento não transparentes, com custos escondidos.

O custo da instalação básica por si só não é uma medida exata, uma vez que não reflete, necessariamente, o custo total da solução; sistemas que parecem baratos a princípio podem não ter opções de escalonamento. Integrar novos locais, dispositivos etc. requer, muitas vezes, add-ons e módulos caros. Requisitos de programação e tempo necessário para a implementação também devem ser mantidos dentro de limites razoáveis. Por isso mesmo, soluções fáceis de configurar e que oferecem menus operacionais claros, simplificam a instalação e o seu uso posterior.

*Carlos Echeverría é Gerente de Desenvolvimento de Canais para América Latina da Paessler AG.

Siga o Canaltech no Twitter!

Não perca nenhuma novidade do mundo da tecnologia.