As modernas ferramentas de gerenciamento e a otimização de custos do data center

Por Colaborador externo | 11.04.2013 às 15:15

* Por Luciano Santos

Ante os vertiginosos aumentos nas despesas operacionais das empresas registrados nos últimos tempos, os executivos passaram a considerar o data center como fonte viável de economia em custos de capital e operacionais. Qual é a chave? O software para gerenciamento da infraestrutura do data center (DCIM).

As ferramentas avançadas DCIM ajudam a diminuir despesas, prolongando a vida útil da infraestrutura física do data center existente, simplificando os processos de planejamento e operacionais, reduzindo o consumo de energia tanto na infraestrutura quanto nos sistemas de TI e permitindo realizar monitoramentos proativos para proteger o valioso tempo produtivo dos negócios. Existem exemplos de softwares que funcionam como uma “camada” abrangente de toda a infraestrutura física integrada do data center e possibilitam à empresa obter entre 10% e 20% de economia em custos de capital iniciais. A visibilidade total permite que os gerentes tomem decisões seguras sobre os níveis de capacidade, a fim de adaptar a infraestrutura física existente para suportar cargas de TI mais importantes. Essas adaptações ajudam a otimizar o capital, desacelerando a geração de despesas de capital adicionais.

O superdimensionamento inicial para proteção dos riscos dos sistemas ficou no passado. Quanto mais potência, mais refrigeração e superfície. A abordagem de fornecimento excessivo gerava data centers ineficientes, onerosos e monolíticos. Agora, o software DCIM permite tornar realidade a ideia batida de “fazer mais com menos”.

Ao transformar pontos de dados em informações úteis, tanto para os executivos quanto para o pessoal de infraestrutura e sistemas, estes softwares ajudam a otimizar os servidores mediante a remoção ou a consolidação e, por sua vez, a expandir ou reduzir a infraestrutura física em virtude das necessidades reais de capacidade, embora estas variem ao longo do ano junto com as oscilações do negócio. Assim, por exemplo, é possível otimizar recursos, diminuindo até 50% ou 60% da capacidade de potência e refrigeração de reserva.

A alta visibilidade proporcionada por estas ferramentas garante a possibilidade de incorporar mudanças de acordo com o crescimento do negócio. Pode-se ver os equipamentos e os recursos disponíveis no data center relacionados com a infraestrutura física e agir em função desses dados. Por exemplo, se você tem que incorporar 50 novos servidores, é possível determinar, de forma rápida e simples, se há espaço suficiente, potência e refrigeração para fazê-lo, e, sendo assim, onde incorporá-los. Resolvida a localização dos racks, você pode analisar o impacto dos servidores novos no PUE (eficácia no uso da energia).

A análise oferecida pelas ferramentas de software DCIM é essencial para o gerenciamento inteligente da energia, especialmente porque a redução no consumo de energia pode permitir importante economia de custos. Algumas permitem explorar subsistemas (por exemplo, no-breaks) para detectar em que área do data center é consumida a energia. O software elabora modelos de sistemas, como os de energia e refrigeração, que ajudam a decidir onde procurar a economia sem aumentar os riscos de sistemas.

Para que os data centers sejam ativos comerciais estratégicos, é preciso considerar a crescente complexidade computacional. Abordagens avançadas, como a consolidação (que gera mais densidades) e a virtualização (que produz pontos de calor dinâmicos) tornam ainda mais crítica a melhoria do controle e da automação.

No longo prazo, a infraestrutura física de data centers, combinada a uma ferramenta integrada e eficiente de gerenciamento, permite economizar até 30% em custos de infraestrutura física de data center em dez anos, mediante a otimização do gerenciamento de recursos e energia. Com isso, é possível aproveitar o valor de negócio estratégico que o data center oferece.

*Luciano Santos é diretor comercial da unidade de negócios TI da Schneider Electric