Qualcomm anuncia o primeiro processador de servidores de 10 nm do mundo

Por Redação | 07.12.2016 às 19:01
photo_camera Reprodução

A fabricante norte-americana de microprocessadores Qualcomm demonstrou nesta quarta-feira (07) o primeiro processador de servidores com tecnologia de nodos de 10 nm do mundo, o Centriq 2400.

Carregado com a CPU Qualcomm Falkor, até 48 núcleos e compatibilidade com a arquitetura ARMv8, o chip é fabricado pela subsidiária Qualcomm Datacenter Technologies da empresa e deve atender o mercado de data centers com alta performance e eficiência energética.

"Aposta é poder oferecer uma alta nativa para o mundo de servidores que possa suportar o grande ecossistema de ARM que existe no mundo em chips com a tecnologia mais avançada de eficiência e consumo baixo de energia, o que é cada vez mais importante nos grandes conglomerados de servidores que suportam a nuvem", afirmou ao Canaltech o presidente da Qualcomm Brasil, Rafael Steinhauser.

As primeiras amostras comerciais do chip já estão sendo enviados para grandes fornecedores de infraestrutura e provedores de serviço, com a expectativa de chegar oficialmente ao mercado a partir da segunda metade de 2017, logo após o seu chip de 10 nm para smartphones.

Com o lançamento, a Qualcomm bate de frente com um dos negócios mais lucrativos da rival Intel, mirando no mercado de grandes data centers para concorrer com o processador Xeon. A expectativa é que a Intel não deva apresentar seu próprio chip de 10 nm para servidores até 2018, reservando seu lançamento de 10 nm para PCs para o segundo semestre do ano que vem – o que coloca a Qualcomm em um boa posição para o próximo ano em servidores.

Ainda assim, a Intel traz uma vantagem considerável no setor, com domínio das vendas de chips usando a instruções x86 – a base de quase todos softwares comerciais de mercado e a tecnolgia usada em 99.3% de todos os servidores vendidos nos três primeiros trimestres de 2016, da acordo com a International Data Corp.

A Qualcomm tentou antecipar os desafios das mudanças de software necessárias para clientes que queiram adotar a arquitetura ARM já em 2014, quando anunciou o projeto pela primeira vez e lançou ferramentas de software para desenvolvedores adaptarem seus data centers. Ainda assim, um número grande de potenciais clientes podem se manter reticentes em relação a adaptação, garantindo parte da vantagem da Intel no mercado.

Via: Venture Beat, Wall Street Journal