MediaTek anuncia nova linha de chips exclusivos para carros autônomos

Por Redação | 29.11.2016 às 09:57

Os carros autônomos são uma das maiores promessas das indústrias automobilística e tecnológica para os próximos anos e todo mundo está correndo para ter sua fatia do bolo. E a MediaTek é uma das empresas que quer largar na frente, tendo anunciado nesta segunda-feira (28) uma nova linha de chips exclusivos para os veículos que dirigem sozinhos.

Para diferenciar seu produto da concorrência, a empresa taiwanesa está atacando o problema da fragmentação. Atualmente, as fabricantes de carros autônomos têm de investir em uma série de chips diferentes e especializados em funções específicas, algo que a MediaTek quer combater com esta nova linha.

"Os carros do futuro com chip da MediaTek vão incorporar os melhores recursos da condução autônoma, entretenimento informativo e conveniência em um único pacote de semicondutores integrados", disse o vice-presidente corporativo e gerente geral da unidade de negócios de internet das coisas da MediaTek, JC Hsu. "Estamos desenvolvendo uma solução para os nossos clientes e a indústria automotiva que atende as demandas de alto desempenho e eficiência energética para tornar os carros autônomos em uma realidade".

Ideia da MediaTek é que seus chips tragam todas as principais funcionalidades de um carro autônomo integradas num só canto, sem precisar de chips adicionais para funções e recursos específicos (Reprodução: Volvo)

Ao todo, os novos chips vão vir com quatro tecnologias diferentes incorporadas. O primeiro deles é o sistema avançado de auxílio da visão do motorista, o V-ADAS, que utiliza uma unidade de processamento de visão descentralizada para lidar com os dados visuais captados pelas câmeras do veículo. De acordo com a fabricante, ele usará aprendizado de máquina para aumentar a precisão e velocidade da detecção, reconhecimento e monitoramento do que está ao redor do carro e tomar decisões mais parecidas com as que um humano tomaria.

A MediaTek também vai empregar um radar de precisão milimétrica, que utiliza ondas de alta frequência para uma detecção mais precisa de objetos do que as feitas por soluções tradicionais de ultrassom.

Os chips também contarão com tecnologias de processamento 2D e 3D para garantir que aplicações de entretenimento informativo possam rodar melhor e não os superaqueçam. De maneira semelhante, eles terão suporte à rede e conectividade embutido e tecnologias de processamento mais eficiente para garantir a melhor eficiência energética possível.

"Os sistemas do futuro exigirão um alto nível de integração, gerenciamento de energia inovador e melhores funcionalidades para suportar tanto os mais altos níveis de segurança quanto a melhor experiência de condução que os consumidores querem", concluiu Hsu.

Via VentureBeat