Manter o notebook ligado o tempo todo na tomada prejudica a bateria?

Por Sérgio Oliveira

Embora amplamente debatido nos quatro cantos da internet, a questão da vida útil das baterias e o que pode e não pode ser feito com elas permanece como um mistério para a maioria dos usuários de tecnologia.

O assunto soa ainda mais místico quando passamos a falar das baterias de notebooks. Afinal de contas, há alguma coisa que possa ser feita para manter ou até mesmo estender o tempo de vida delas? Será que é melhor manter o notebook conectado à tomada o tempo todo ou usar a bateria sempre que ela estiver carregada?

Essas questões parecem bem simples, mas as respostas não são tão triviais quanto se imagina. Para entender o assunto de uma vez por todas, vamos debatê-lo amplamente nas linhas a seguir. Acompanhe conosco.

Saiba o tipo de bateria do seu notebook

Não resta dúvidas que as baterias mais comuns são as de íons de lítio, mas a verdade é que há dois tipos de bateria usadas em notebooks: as já conhecidas de íons de lítio e as de polímeros de lítio. As tecnologias são diferentes, mas o funcionamento de ambas é basicamente o mesmo e se dá a partir da movimentação de elétrons. Inclusive, é esse fluxo e vai-e-vem de elétrons no interior do componente que o mantém saudável.

Fora algumas poucas diferenças, é possível estabelecer duas regras gerais para ambos os tipos de bateria:

  • Uma bateria não pode ser sobrecarregada. Isso significa que não há qualquer risco em deixar uma bateria conectada à tomada mesmo após dela atingir 100% de carga. Na verdade, assim que elas atingem o carregamento completo um sistema entra em ação para evitar que algo de pior aconteça.
  • Descarregar uma bateria completamente irá danificá-la. Isso é verdade principalmente para os casos em que a bateria permanece completamente descarregada por um longo período de tempo. Nesses casos, é muito provável que ela jamais possa ser recarregada.

Dito isso, podemos afirmar categoricamente que o melhor a se fazer é deixar o notebook ligado na energia o tempo todo, não é mesmo? Calma, não é bem assim.

Fatores que prejudicam baterias de lítio

A verdade é a seguinte: baterias de lítio são instáveis e começam a perder eficiência a partir do momento que são produzidas. É claro que muitos fatores colaboram para uma maior degração, entre eles:

  • Ciclos de carga e descarga: toda bateria tem um número máximo de vezes que pode ser carregada e descarregada.
  • Nível de voltagem: quando maior o nível de carregamento medido em volts por célula, mais curta será a vida da bateria.
  • Altas temperaturas: ambientes com temperatura acima de 30ºC podem causar danos irreversíveis ao componente.

Os dois últimos itens são o que mais preocupam a indústria e cientistas, já que são raros os casos de usuários que conseguiram esgotar o ciclo de vida de uma bateria. Inclusive há um estudo bastante aprofundado da Battery University que destaca como altos níveis de voltagem e altas temperaturas abreviam a vida útil de uma bateria e como ambos fatores podem ser nocivos quando combinados.

Nível de voltagem

Via de regra, baterias de íons de lítio podem carregar até 4.20 V por célula, o que corresponde a 100% de sua capacidade. Nesse nível, a bateria tem aproximadamente de 300 a 500 ciclos de carregamento.

Ciclos de carregamento e capacidade em função do nível de voltagem
Nível de carregamento (V/célula) Ciclos de carregamento Capacidade total
[4,30] [150 a 250] ~[114%]
4,20 300 a 500 100%
4,10 600 a 1.000 ~86%
4,00 1.200 a 2.000 ~72%
3,92 2.400 a 4.000 ~58%

O número de ciclos de carregamento dobra a cada 0,10 V a menos nas células da bateria. Aumentar a voltagem acima dos 4,20 V causará o abreviamento da vida útil da bateria (Adaptado de Battery University)

A partir daí uma redução de 0,10 V por célula no carregamento dobra o número de ciclos de descarregamento até que o nível ideal seja alcançado: 3,92 V por célula. Neste nível, o número de ciclos chega à faixa de 2.400 e 4.000 carregamentos. O problema é que quando o nível ótimo de voltagem é atingido a bateria geralmente está operando apenas com 58% de sua capacidade.

Altas temperaturas

Fora o nível de voltagem, também há as altas temperaturas que assolam grande parte do território brasileiro. A regra aqui é que temperaturas acima de 30ºC irão afetar a vida útil do componente independemente de qualquer outro fator. Se por algum acaso isso se combinar com os altos níveis de voltagem - o que não é raro -, o prejuízo é ainda maior.

Perda de capacidade de carga de bateria de íons de lítio após um ano expostas a altas temperaturas
Temperatura 40% carregada 100% carregada
0ºC Perdeu 2% Perdeu 6%
25ºC Perdeu 4% Perdeu 20%
40ºC Perdeu 15% Perdeu 35%
60ºC Perdeu 25% Perdeu 40% (após três meses)

Altas temperaturas aceleram o perda permanente de capacidade de recarga das baterias. É importante ressaltar que nem todas as baterias de íons de lítio se comportam da mesma forma (Adaptado de Battery University)

Testes realizados pela Battery University mostraram que uma bateria com 40% de carga exposta a uma temperatura de 40ºC teve sua capacidade de recarga reduzida em 15% em apenas um ano.

Quando completamente carregada, uma bateria do mesmo modelo exposta às mesmas condições teve sua capacidade de recarga reduzida em 35%. As coisas só pioram à medida que a temperatura aumenta: em outro teste, uma bateria completamente carregada ficou exposta a uma temperatura de 60ºC e viu 40% de sua capacidade de recarregamento ir para o espaço em apenas três meses.

O pior de tudo é que o estudo também concluiu que o prejuízo não é causado apenas pela temperatura ambiente. A execução de atividades pesadas no computador que levam ao superaquecimento do equipamento também colabora para a degradação da bateria. Portanto, aquelas horas que você passa jogando Shadow of Mordor ou até mesmo navegando na internet com o notebook num travesseiro ou almofada certamente prejudicarão sua bateria.

Então o ideal é remover a bateria?

A verdade é que a resposta para isso depende bastante, principalmente se levarmos em consideração o que as fabricantes dizem a respeito do caso.

A Acer, por exemplo, confirma que a melhor prática é remover a bateria se você costuma utilizar o notebook conectado à tomada o tempo todo. Já a Apple diz que a bateria dos MacBooks e MacBooks Pro ajudam a fornecer energia extra para o computador quando ele está conectado à tomada, de maneira a não sobrecarregar o carregador. Caso mesmo assim o usuário opte por remover o componente, os MacBooks trabalharão com uma velocidade de clock inferior ao especificado no manual para evitar surtos de energia e desligamentos repentinos.

Remover a bateria do notebook é uma das tarefas mais fáceis na maioria dos casos; mas alguns modelos vêm com o componente soldado à placa-mãe, exigindo ferramentas e conhecimento extras

Remover a bateria do notebook é uma das tarefas mais fáceis na maioria dos casos; mas alguns modelos vêm com o componente soldado à placa-mãe, exigindo ferramentas e conhecimento extras (Imagem: Reprodução)

Sendo assim, o ideal é consultar se a fabricante do seu notebook recomenda a prática ou não e, principalmente, se a bateria é removível ou não. Caso ela venha soldada na placa-mãe do notebook, não tem para onde correr: você terá que "aturar" ela.

Agora lembre-se: caso opte pela remoção da bateria, certifique-se de que o fará da maneira adequada. Isso significa que ela precisa estar carregada entre 40% e 70% e será guardada num local arejado e de temperatura adequada.

O que fazer de fato

Já deu para perceber que curiosamente não há um consenso na indústria quanto a utilizar o notebook o tempo todo ligado na tomada ou não.

A Acer diz que o ideal é remover a bateria se esse for o estilo de uso do usuário. Já a HP aconselha manter a bateria carregando por pelo menos 2 semanas antes de removê-la; enquanto a Dell diz que não há problema algum em manter o notebook conectado continuamente com a bateria nele.

A Apple tentou se afastar da polêmica removendo sua recomendação sobre o tema do seu site de suporte. Contudo, ainda é possível ver online que a Maçã sugeria intercalar o uso da bateria com períodos de carregamento para "manter as coisas fluindo".

O ideal é consultar a fabricante do seu notebook para saber se ela recomenda ou não manter a bateria conectada à máquina mesmo utilizando ela ligada na tomada o tempo todo

O ideal é consultar a fabricante do seu notebook para saber se ela recomenda ou não manter a bateria conectada à máquina mesmo utilizando ela ligada na tomada o tempo todo (Imagem: Reprodução)

A verdade é que utilizar o notebook conectado à tomada por algum tempo não fará mal algum à sua bateria, mas se você o utiliza como se fosse um desktop e praticamente nunca o tira da tomada é certo que a capacidade do componente será reduzida drasticamente depois de um tempo. O mesmo acontecerá caso você abuse do uso da bateria, que passará a "segurar" cada vez menos energia.

No fim das contas, o ideal mesmo parece ser o recomendado pela Apple: intercalar dias de uso na bateria com outros de uso conectado à tomada. Dessa forma é possível manter uma a bateria longe do estresse causado pelos altos níveis de voltagem e dos danos irreversíveis que um descarregamento completo pode causar. Ah, e não se esqueça também de mantê-la longe do calor sempre que possível.

Como você utiliza o seu notebook em casa e no trabalho? Mais importante do que isso, o que você faz para incrementar a vida útil dela? Já seguia alguma dessas dicas ou tem a sua própria receita para o assunto? Deixe sua opinião e dica na caixa de comentários aqui embaixo.

Não deixe de conferir: