HBM3, GDDR6: estas serão as memórias RAM da próxima geração

HBM3, GDDR6: estas serão as memórias RAM da próxima geração

Por Redação | 23 de Agosto de 2016 às 22h04

Em dois eventos distintos, o Intel Developer Forum 16 e a Hot Chips 28, fabricantes de chips deram um vislumbre do futuro das memórias RAM. Tem para todo tipo de aplicação, dos celulares até os servidores e workstations. E o que se viu foi um desfile de sopa de letrinhas: a ideia é sempre aumentar a quantidade de memória e a velocidade, ao mesmo tempo em que se diminui o consumo de energia.

Continua a tendência de cada plataforma requerer um tipo de memória: uma DDR5 para PCs e servidores, uma LPDDR5 para celulares, uma GDDR6 para placas de vídeo e as HBM3 e HBM de baixo custo para aplicações de larga banda de memória, como as placas de vídeo e computadores de alta performance.

Um dos tipos mais fascinantes são as HBM, sigla para memória de banda altamente larga. A HBM de primeira geração é usada na linha de placas de vídeo Radeon R9 Fury (AMD), que tem fluxo de 512 gigabytes por segundo. Já a aceleradora Tesla P100, da Nvidia, usa uma de segunda geração (HBM2) e voltada ao profissional em estações de trabalho, com vazão de até 720 gigabytes por segundo. Esse tipo de memória tem a vantagem de ocupar menos espaço, já que os chips ficam empilhados um sobre o outro, como um prédio, mas custa caro. Um produto da série R9 Fury sai de R$ 3 mil a R$ 4 mil.

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

Por conta disso, as fabricantes estão tentando baratear os HBM, simplificando sua estrutura, como por exemplo, retirando o chip de buffer e o de ECC, que serve para detectar e corrigir corrupção de dados. As especificações também são mais baixas, com largura de banda de até 200 gigabytes por segundo. O HBM3 também está em desenvolvimento, com vazão que pode superar 2 terabytes por segundo e pode ser usando nas futuras placas da AMD com núcleos Navi. Cada chip poderá ter 2 gigabytes de capacidade e pretende ser mais econômico em termos de consumo de energia. Essa memória está prevista para sair entre 2019 e 2020.

HBM de baixo custo

Samsung mostrou planos para uma memória HBM de menor custo

Especializações

Para uso em placas gráficas, a indústria aposta no GDDR6, que tem taxa de transferência entre 14 e 16 gigabits por segundo, mais ou menos o dobro das atuais GDDR5. Com isso, a nova memória pode ter largura de banda da ordem de 500 gigabytes por segundo e capacidade de armazenamento de até 64 gigabytes no total. Até já existe uma sucessora para a GDDR5, chamada GDDR5X, mas deve ser fabricada apenas pela Micron (e usada na placa GTX 1080, da NVIDIA). Os outras fabricantes pretendem pular direto para a GDDR6. De acordo com uma fonte ligada à JEDEC, um órgão de padronização de semicondutores, os primeiros produtos devem chegar ainda em 2017, mas a Samsung não acredita que apareçam antes de 2018

Na seara das memórias de uso geral, a adoção do DDR5 deve demorar. Para a Intel, uma das maiores clientes, isso só deve acontecer por volta de 2020. Levando em conta que o DDR4 está apenas começando a se popularizar, essa parece ser uma agenda razoável. A nova memória prevê taxa de transferência de até 6,4 gigabits por segundo, o que se traduz em largura de banda da ordem de 100 GB/s e cada chip terá capacidade de até 32 gigabits (ou 4 gigabytes). Se um pente DDR4 pode ter até 256 gigabytes, o sucessor pode ter até 1 terabyte, e com menos gasto de energia (a alimentação do circuito será de 1,1 V, contra 1,2 V do DDR4).

Adoção de DDR4

Até o final do ano, 72% dos PCs devem sair com memória DDR4, segundo a Intel. DDR5 só pega tração em 2020

Por fim, as memórias para aparelhos móveis têm a velocidade de evolução mais rápida. A tecnologia atual é a LPDDR4, mas, ainda este ano, devem ser produzidos os primeiros LPDDR4X, com voltagem de entrada e saída diminuída de 1,1 V para 0,6 V e, assim, gastando 40% menos energia. Levando em conta que a bateria é um recurso limitado e muito disputado entre as peças, qualquer diminuição do consumo é bem-vinda. Além disso, a taxa de transferência sobe de 3,2 gigabits por segundo para 4,266 gigabits por segundo. Para 2018, está previsto para aparecer o padrão LPDDR5, que quer elevar a taxa para 6,4 gigabits por segundo, gastando 20% menos energia em relação ao LPDDR4X.

Fontes: Ars Technica, Digital Trends e PC Watch

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.