Cientistas do MIT desenvolvem processador de 168 núcleos

Por Redação | 05 de Fevereiro de 2016 às 09h07
photo_camera Reprodução/MIT News

Pesquisadores do Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT) desenvolveram um processador de 168 núcleos capaz de, em breve, dar a dispositivos portáteis a capacidade de “raciocinar” como um cérebro humano. O chip garante uma capacidade imensa de processamento de dados a inúmeros equipamentos, como smartphones, robôs, drones e carros autônomos.

O chip, que recebeu o nome de Eyeriss, vem em um momento onde a Aprendizagem Profunda (também conhecido por seu nome em inglês, Deep Learning) está cada vez mais em voga. Dentro deste conceito, as companhias investem cada vez mais em hardware capaz de entender e aprender com as ações humanas, reduzindo a dependência de intervenção de pessoas reais para realizar uma tarefa.

De acordo com o MIT, o novo processador apresenta um desempenho de eficiência energética 10 vezes melhor do que um chip convencional de processamento gráfico, garantindo a possibilidade de funcionar em itens de computação vestível, portáteis e robôs operados por bateria. Além disso, ele conta com funções de inteligência artificial embutidas, garantindo a realização de uma série de tarefas localmente e dispensando conexão com a internet para, por exemplo, reconhecer rostos em uma fotografia.

Como conta com seu próprio banco de memória, o chip tenta reduzir a repetição durante o processamento, focando na realização de tarefas de forma mais eficiente ao empregar seus 168 núcleos nisso. Além do mais, os circuitos que compõem o Eyeriss podem ser reprogramados para uso em diferentes redes neurais. Apesar de tantos benefícios, o MIT ainda não revelou informações sobre a chegada de seu processador (ou da tecnologia empregada nele) ao mercado.

Fonte: MIT News

Fique por dentro do mundo da tecnologia!

Inscreva-se em nossa newsletter e receba diariamente as notícias por e-mail.