Como as APUs da AMD estão ganhando o mercado

Por Ultradownloads | 21 de Maio de 2012 às 16h50
APUs AMD

A AMD, com algumas poucas exceções, sempre ficou atrás do rápido lançamento de novas gerações de CPUs fabricadas pela concorrente Intel, tanto em relação à eficiência por Watt de seus processadores quanto à técnicas de fabricação, mas ao lançar o conceito de APU (Accelerated Processing Units) essa história parece estar mudando.

Após a compra da ATI, a AMD anunciou que a partir de 2008 começaria a lançar soluções híbridas de processadores e placas de vídeo em um mesmo chip, justificando que a demanda por processamento gráfico cresceria rapidamente com o tempo, oferecendo assim uma solução elegante e eficiente para os usuários que necessitavam de um bom poder de processamento sem ter que assaltar um banco para isso.

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

A compra da ATI pela AMD possibilitou que esta entrasse no mercado de APUs

O resultado desse processo é que hoje temos excelentes soluções de APUs tanto para desktops (série "A"), notebooks (Série "E") e de baixo custo (Série "C"), com a certeza de que qualquer uma das séries é capaz de rodar vídeos de altíssima definição e jogos casuais. O modelo mais avançado da primeira geração, o A8-3870K, saí por apenas R$ 300 mesmo com impostos, bastante barato se considerarmos do que ele é capaz inclusive com o seu potencial de overclock.

Logo Fusion da AMD

O mercado de laptops, por exemplo, possui o modelo E-350, um dual-core rodando a 1.6 GHz equipado com uma Radeon HD 6310 no mesmo chip e consumindo meros 18 Watts de energia, capaz de bater de frente com os Intel Core i3 e Core i5 tanto no preço quanto na performance. Estes modelos mostram um bom desempenho em tarefas que exigem apenas processamento, mas decepcionam o usuário na maioria das demandas gráficas com os seus gráficos Intel HD série 3000.

Quando o Intel Ivy Bridge foi lançado com seus 22 nm de litografia e Intel HD 4000, oferecendo uma performance por Watt melhor que a primeira geração de APUs, a AMD respondeu com a sua segunda geração, que embora possua uma litografia menos avançada (32 nm), coloca a AMD frente a frente com a Intel novamente.

Essa nova geração inclui o tão aguardado Fusion A10-4660M, um processador quad-core rodando a 3.2 GHz com Turbo Core 3.0, Radeon HD 7660G com 384 núcleos Core Next rodando a até 686 MHz e suporte a memórias de até 1600 MHz - velocidade impressionante para um portátil; tudo isso exigindo apenas 35 Watts para funcionar com carga total. Se a AMD acertar no preço será uma revolução no mercado, onde o usuário não precisará mais recorrer a soluções caríssimas para ter um computador que atenda a todas as suas necessidades.

Conhecida como Trinity, a segunda geração de APUs explora todo o potencial da geração de processadores Bulldozer e placas gráficas série 7000 suprem a necessidade da grande maioria dos usuários, com exceção para os jogos de altíssimo desempenho e outros ramos específicos, e talvez em um futuro próximo eliminemos definitivamente os desktops com sua pouca eficiência energética e passemos a utilizar laptops conectados a monitores de alta resolução contando com um excelente desempenho.

Fusion engloba tecnologia de CPU e GPU em um mesmo chip

Acredita que a AMD acertou em cheio as necessidades do usuário com o lançamento de suas APUs?

Comente para nós!

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.