Qualcomm compra Wilocity para colocar conexões na casa dos Gbps em smartphones

Por Redação | 04 de Julho de 2014 às 15h15
TUDO SOBRE

Qualcomm

A empresa Qualcomm confirmou nesta quarta-feira (2) que está comprando a especialista em conexões sem fio de alta velocidade, a Wilocity. Com a aquisição, a companhia espera inserir suporte em seus chips móveis para suportar conexões no padrão WiGig.

Segundo o vice-presidente de gerenciamento de produtos da Qualcomm e ex-CEO da Wilocity, Tal Tamir, "em algum momento do próximo ano, a empresa espera ver os primeiros chipsets WiGig em smartphones e outros dispositivos móveis do mercado".

A aquisição é um grande impulso para o padrão WiGig IEEE 802.11. Ao contrário do Wi-Fi, o WiGig pretende ser uma tecnologia de curto alcance, semelhante ao Bluetooth. Mas ao contrário do Bluetooth, o WiGig terá velocidades de transferência multigigabit batendo a frequência de 60 GHz. Esta conexão de velocidade elevada permitirá que smartphones transmitam vídeos em 4K para TVs ou ainda a transferência instantânea de grandes arquivos de mídia em dispositivos de uma mesma rede.

Participe do nosso GRUPO CANALTECH DE DESCONTOS do Whatsapp e do Facebook e garanta sempre o menor preço em suas compras de produtos de tecnologia.

Neste momento, a tecnologia está sendo utilizada para conectar dispositivos periféricos em empresas, como, por exemplo, estações de trabalho com laptops oferecidos pela Dell. A expectativa com o negócio é de que a Qualcomm possa começar em breve a incluir a tecnologia em produtos como roteadores, celulares, tablets e outros aparelhos de consumo.

A Qualcomm e a Wilocity já desenvolveram parcerias para desenvolverem chips Wi-Fi/WiGig, antes da aquisição. Com a compra da empresa, é possível que a Qualcomm se aprofunde mais na tecnologia e a utilize de uma maneira mais ampla e eficiente. O primeiro produto que deve contar com a tecnologia é o processador Snapdragon 810.

O negócio foi fechado nesta quarta-feira (2), mas a Qualcomm não revelou o preço de compra, apesar de relatos apontarem para valores próximos a US$ 300 milhões.

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.