Conhecemos a tecnologia NVIDIA G-SYNC que promete acabar com o tearing dos jogos

Tudo sobre

Nvidia

O grande diferencial dos jogos atuais, comparados com os que foram lançados há pouco tempo, é a mudança na prioridade dos gamers. Antes, uma das principais preocupações dos jogadores era alcançar a maior taxa de frames por segundo quanto possível, resultando em uma fluidez muito maior. Hoje, o foco não é tanto o FPS, mas a qualidade do jogo em si, algo que depende muito mais dos filtros e efeitos do que da atualização de tela.

Porém, um problema não tinha sido resolvido: a quebra de quadros, ou tearing. O usuário tinha que escolher o que menos gostava: tearing ou input lag, já que não era possível eliminar os dois com as tecnologias disponíveis até então. O "problema" é que grande parte dos monitores atuais trabalha com uma taxa de atualização fixa de 60 Hz, ou 60 frames por segundo, e quando a placa de vídeo gera uma quantidade diferente de frames (quase sempre, diga-se de passagem), ocorre o tearing.

NVIDIA G-SYNC

Acima, a falta de sincronia entre GPU e o monitor que causa o Tearing

Assista Agora: Saiba quais são os 5 maiores problemas das empresas brasileiras e comece 2019 em uma realidade completamente diferente.

NVIDIA G-SYNC

Com o G-SYNC, tanto GPU e monitor trabalham com a mesma taxa de atualização para evitar o tearing e o input lag

Ao rodarmos um jogo, o cenário 3D que estamos vendo está realmente acontecendo na placa de vídeo, que manda "screenshots" para o monitor. Por ser dinâmica, a taxa de frames gerados pela placa de vídeo varia bastante, dependendo da quantidade de elementos processados, resolução, efeitos e mais uma série de fatores. Portanto, invariavelmente, o tearing é inevitável.

NVIDIA G-SYNC

Tearing

Conversamos com Alexandre Ziebert, responsável pela área de marketing técnico da Nvidia, que nos apresentou oficialmente o G-SYNC, solução da empresa para resolver esse problema. A ideia é curiosamente simples: se a taxa de atualização da placa de vídeo é variável, então por que não sincronizar a quantidade de frames por segundo do monitor para exibir somente os frames gerados pela GPU e evitar o tearing? Pode parecer simplista demais, mas é isso mesmo.

NVIDIA G-SYNC

Experiência padrão de um jogo sem filtros e efeitos ativados

NVIDIA G-SYNC

Com o G-SYNC, filtros e efeitos ativados: a experiência fica consideravelmente melhor, com mais realismo e sem tearing

Enquanto o funcionamento é simples, a implementação é bem mais complicada. Começando pela placa de vídeo, não são todas que suportam essa tecnologia. Naturalmente, por ser uma tecnologia desenvolvida pela NVIDIA, ela está restrita às GeForces GT e GTX da própria empresa, e, entre elas, somente os modelos da série 600 em diante (Kepler ou Maxwell) são compatíveis com o recurso.

NVIDIA G-SYNC

ASUS ROG SWIFT PG278Q

Da série GeForce 500 para baixo não havia uma implementação nativa da conexão DisplayPort. Mesmo que alguns fabricantes tenham equipado seus modelos com ela, não é padrão da geração e por isso a NVIDIA preferiu não estender o suporte para essas modelos. Outro obstáculo está no monitor. Não são todos os monitores que são compatíveis com o G-SYNC, já que é um recurso que exige um hardware proprietário da NVIDIA para funcionar – e ele não é barato.

NVIDIA G-SYNC

AOC 2460PG

Até o momento há apenas alguns poucos modelos disponíveis no mercado, sendo eles voltados especificamente para o segmento de alto desempenho de gamers hardcore. A tecnologia ainda é bastante cara e por enquanto ficará restrita a modelos que trazem especificações mais avançadas, como 144 Hz, tempos de respostas baixíssimos e, em alguns casos, resoluções maiores do que 1.920 x 1.080 pixels, como 2.560 x 1.440 pixels.

NVIDIA G-SYNC

BenQ XL2420G

Nos próximos meses novos modelos chegarão ao mercado, inclusive no Brasil. Os mais notáveis são os da Philips (272G5DYEB - Full HD, 144 Hz, 1 ms de resposta), Asus (ROG SWIFT PG278Q - 2.560 x 1.440, 144 Hz, 1 ms de resposta), BenQ (XL2420G - Full HD, 144 Hz, 1 ms de resposta) e AOC (G2460PG - Full HD, 144 Hz e 1 ms de resposta). Basta olhar para as características desses modelos para ver que configurações mais básicas não alcançarão a capacidade máxima de qualidade das telas, em especial no caso do ROG SWIFT PG278Q.

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.