AMD AM1: uma plataforma de baixo custo que não tem nada de "baixo"

Por Pedro Cipoli
photo_camera Pedro Cipoli/Canaltech

O que esperar de uma combinação de processador, chipset e placa de vídeo vendido por US$ 60? Tecnologia é uma área onde claramente tamanho não é documento e smartphones mais poderosos do que PCs de poucos anos atrás estão aí para não nos fazer mentir. Os destkops estão estão acompanhando essa tendência e ficando cada vez menores, cenário onde a plataforma AM1 da AMD entra em cena.

Essa plataforma usa uma placa-mãe padrão mini-ITX e já vem com uma APU da segunda geração do Kabini que analisamos aqui no Canaltech no ano passado, trazendo um processador que é mais um SoC do que propriamente uma CPU. Em um primeiro estágio, a AMD trouxe gráficos consideravelmente poderosos para dentro do chip, em especial na série A de processadores. Agora, nesse segundo estágio, o próprio chipset ganhou seu espaço dentro do envelope térmico.

O resultado é bom? Depende da forma como o analisamos. A plataforma AM1 - que inclui desde modelos extremamente básicos como o Sempron 2650 até o Athlon 5350 que vamos conhecer hoje - foi projetada para ser barata e ao mesmo tempo capaz de realizar a maioria das tarefas que realizamos no PC sem consumir muita energia. Ou seja, não foi projetada para usuários altamente exigentes, algo que vale a pena destacar. Mas será que ela cumpre o seu papel?

Ficha técnica

  • Processador: AMD quad-core com núcleos Jaguar rodando a 2,05 GHz com 2 MB de cache L2 e sem cache L3 (2,045 GHz segundo o CPUz);
  • Memória RAM: 4 GB DDR3 rodando a 1600 MHz em um único canal;
  • Placa de vídeo integrada: AMD Radeon R3 com 128 cores de processamento de fluxo rodando a 600 MHz;
  • Disco: SSD Kingston V300 de 120 GB;
  • Sistema operacional: Windows 8.1 64 bits

A placa-mãe

Uma olhada rápida na plataforma AM1 mostra que foram utilizados somente capacitores sólidos na placa-mãe inteira, ponto extremamente positivo, mas que algumas limitações são bastante claras. Por exemplo, há apenas duas portas SATA 6 Gbit/s que limitam a quantidade de armazenamento em apenas 8 TB. Outro ponto é que, mesmo com dimensões reduzidas, o AM1 inclui um slot PCI Express x16 que permite a inclusão de uma placa de vídeo dedicada.

AMD AM1

Para vídeo, o AM1 conta com saídas HDMI, DVI e VGA (D-SUB), suportando a maioria dos monitores atuais, 4 portas USB (2x3.0 e 2x2.0), conexão RJ-45, 3 conectores de áudio analógico e entrada para mouses e teclados antigos. São conexões bastante limitadas no painel traseiro, em especial pela presença de somente 4 portas USB (há mais 4 para o painel frontal, mas isso é outra história), mas suficientes para quem pretende montar um HTPC ou dedicar uma máquina para tarefas mais básicas.

AMD AM1

E como ela se saiu?

Como o foco do Athlon 5350 não é o alto desempenho, optamos por uma abordagem diferente, parecida com a que utilizamos com o Kabini de primeira geração: testá-lo em "condições normais de uso" para ver como ele se sai. Basicamente o utilizamos durante dois dias de trabalho para ver se ele aguentava o tranco, incluindo navegação na internet com dezenas de abas abertas, reprodução de vídeos no Youtube em 1080p, edição de imagens no Photoshop e, claro, escutando músicas durante todo o processo.

Podemos dizer que esperávamos menos. Por se tratar de uma configuração projetada e vendida como baixo custo, ficamos surpresos com o fato de que ela executou quase todas as tarefas sem problemas. Dizemos "quase" pois os limites do Athlon 5350 passam a ser visíveis em uma série de situações. Por exemplo, fizemos questão de editar as fotos tiradas da placa-mãe nele mesmo e percebemos que ele demorou mais tempo do que estamos acostumados para cortar, tratar e converter as imagens de 16 megapixels no Photoshop.

AMD AM1

O AM1 utiliza memórias da própria AMD, série Entretenimento

Outro ponto é que ele roda facilmente vídeos em 1080p, mas sacrificando outras funções. Utilizamos dois monitores e deixamos um vídeo rodando enquanto trabalhávamos em uma segunda tela. O filme sugou o desempenho geral da máquina, ainda que se trate de um modelo quad-core. Essa é uma situação que já esperávamos, mas importante de colocar à prova para testar os limites dessa configuração.

AMD AM1

Com exceção disso, é difícil reparar qualquer gargalo em relação à uma configuração mais avançada. Se colocássemos duas caixas pretas e pedíssemos para alguém apontar qual delas era o Athlon 5350 e qual é a outra mais avançada, seria difícil dizer com certeza na maioria das situações.

AMD AM1

O que a AMD chama de gráficos R3 nada mais é do que uma Radeon HD série 8400

De qualquer forma, percebemos que ele tinha bastante facilidade em trabalhar com tarefas gráficas menos intensas, então rodamos o 3DMark 11 e o 3DMark para ver qual o potencial dos gráficos Radeon R3. No caso do 3DMark 11, a pontuação ficou abaixo do esperado, ou do que tínhamos observado até então. No nível "Performance" ele fez 693 pontos, mostrando que não é possível rodar games mais atuais mesmo em configurações mínimas e resolução mediana.

AMD AM1

No 3DMark, por outro lado, ele saiu curiosamente bem nos testes Cloud Gate (2617) e Ice Storm (31076), mas mandou mal no Fire Strike (397). Isso significa que games casuais rodam até bem, mas esqueça jogos mais avançados - o que confirma os resultados do 3DMark 11. Se tivermos como referência um PC Gamer de entrada, esses resultados são péssimos, mas estamos falando de uma configuração que custa US$ 59, que concorre diretamente em preço com o Atom Bay Trail-D.

AMD AM1

Um conjunto de US$ 59 mais disco rígido e gabinete chega na casa dos US$ 120 para OEMs (sem considerar o valor da licença do Windows 8.1), sendo praticamente metade do preço de um Chromebook, mas com poder de fogo de um desktop de entrada, e mesmo um PC de baixo custo não sai por menos de R$ 250. Custo-benefício passa a ter um peso considerável nesse ponto.

System on a... Socket?

Quando a plataforma AM1 foi anunciada, um dos pontos que a AMD considerou como positivo foi a possibilidade de upgrade do chip, algo que o Bay Trail-D da Intel não oferece por ser soldado à placa-mãe. Sendo bastante honestos, o upgrade não faz muito sentido pelo ganho de performance não ser significativo a ponto de justificar a troca.

AMD AM1

Detalhe do soquete do Athlon 5350, onde é possível ver que ele pode ser trocado, caso o usuário deseje

A própria AMD tem as suas séries A de APUs e FX de processadores de alto desempenho, onde o upgrade realmente representa uma vantagem. O preço do Athlon 5350 é muito próximo do modelo mais básico do A4 mais básico, que pode chegar até o A10 com um belo ganho de desempenho. Comprar qualquer modelo da plataforma AM1 pensando na atualização do chip anula o objetivo principal dessa geração.

Conclusão

Ainda que seja difícil discutir com US$ 59, já que as expectativas são baixas, o AM1 usando o Athlon 5350 se mostrou mais potente do que esperávamos. Não é uma máquina que consideramos "de produção", capaz de realizar tarefas mais pesadas, ou gamer, já que a sua GPU onboard é bastante simples, mas é perfeitamente capaz de lidar com o dia a dia de quem não precisa de muito poder de fogo, em especial com um disco primário sendo um SSD.

Quando finalizamos os testes, pensamos em 2 usos be recomendados para ele: um HTPC, devido à sua facilidade em lidar com vídeos em alta resolução, e uma máquina pequena, mais ou menos do tamanho de um Mac Mini da Apple, para tarefas mais casuais. Mesmo nos benchmarks mais pesados, como o 3DMark, o Athlon 5350 permaneceu "frio", sendo capaz de trabalhar com um sistema de refrigeração passivo (sem cooler). Isso resultaria em uma máquina pequena, econômica e competente para a maioria da tarefas.

Vantagens

  • Custo-benefício difícil de bater em configurações mais básicas;
  • Capaz de rodar vídeos em alta definição e trabalhar com gráficos mais leves sem custar muito caro;
  • Funciona "frio", não apresentando problemas de superaquecimento;
  • Apesar de básico, suporta até 16 GB de memória RAM

Desvantagens

  • Fazer um upgrade do SoC não faz muito sentido;
  • Poderia incluir mais portas SATA;
  • Ainda que aumentasse o custo final, uma versão com Wi-Fi embutido seria extremamente bem vinda