Hacker ligado ao Estado Islâmico é condenado a 20 anos de prisão

Por Redação | 28.09.2016 às 18:35

Um hacker do Kosovo chamado Ardit Ferizi e que se autoproclama membro do grupo terrorista Estado Islâmico (ISIS) foi condenado a 20 anos de prisão. Ele é acusado de invadir o sistema de uma empresa norte-americana e roubar dados de mais de 1.300 pessoas ligadas ao governo e à área militar dos Estados Unidos.

Após a invasão, Ferizi teria entregado as informações obtidas para Junaid Hussain, um dos membros da United Cyber Caliphate (UCC), a divisão de hacking do Estado Islâmico que funciona como uma espécie de exército cibernético dos terroristas. Em 2015, o UCC foi responsável pela invasão do Twitter do Comando Central dos EUA.

De acordo com a procuradoria geral norte-americana, esta é a primeira condenação de um hacker por terrorismo, o que pode abrir precedente e ampliar a força do Estado na luta contra as organização terroristas.

"Este processo bem sucedido também envia uma mensagem para aqueles ao redor do mundo: se você fornecer apoio material para organizações terroristas estrangeiras a fim de ajudá-los com seu planejamento de ataque mortal, você não terá onde se esconder", disse John Carlin, o vice-procurador geral para Segurança Nacional dos Estados Unidos.

Ferizi foi detido no dia 15 de outubro de 2015 na Malásia e declarou-se culpado oito meses depois. Este é mais um resultado positivo no cibercombate ao terrorismo que, nos últimos meses, conseguiu reduzir em 45% a presença do ISIS no Twitter.

Via TechTimes