Coreia do Norte rebate EUA e diz que não tem ligação com o malware WannaCry

Por Redação | 21 de Dezembro de 2017 às 15h53

A tensão entre Coreia do Norte e Estados Unidos não se restringe apenas aos mísseis lançados pelo país asiático, como tentativa de mostrar que possui arsenal nuclear e espalhar ameaças. O conflito se estende também ao campo digital.

Nesta semana, o governo dos Estados Unidos acusou a Coreia de ser a responsável pela disseminação do malware WannaCry. Agora, veio o troco.

Para os norte-coreanos, Donald Trump não tem prova de que os ataques do WannaCry tenham sido provocados por eles. Em comunicado divulgado na agência de notícias KCNA, o porta-voz do Ministério de Negócios Estrangeiros da Coreia afirmou que "os Estados Unidos acusaram injustamente a Coreia do Norte sem nenhuma prova forense".

Assista Agora: Saiba quais são os 5 maiores problemas das empresas brasileiras e comece 2019 em uma realidade completamente diferente.

A primeira resposta da Coreia à acusação veio em tom definitivo: "Não temos nada a ver com o ataque cibernético e não sentimos necessidade de responder, caso a caso, a acusações absurdas como essas feitas pelos Estados Unidos", disse o porta-voz da Coreia do Norte.

Sem amenizar nas declarações, a Coreia do Norte devolveu as acusações dizendo que os rivais estão tentando criar uma "atmosfera de sanções e pressões", quando afirma que o país é um Estado criminoso.

Pior. O porta-voz não se restringiu a Donald Trump e advertiu também outras nações que seguem "injustificadamente os passos" dos americanos. O recado foi para o Reino Unido, Austrália, Nova Zelândia, Canadá e Japão, que fizeram coro às acusacões americanas.

Avanço em 150 países

O WannaCry começou a se espalhar em maio atingiu cerca de 300 mil computadores em 150 países.

Segundo investigações do Centro Nacional de Segurança do Reino Unido, o grupo de hackers conhecido como Lazarus, estabelecido na Coreia do Norte, seria o provável nome por trás do malware.

Esse grupo também foi acusado de um ataque cibernético à casa de câmbio de bitcoin Youbit, na Coreia do Sul. A empresa perdeu 17% de seus ativos durante o choque e, como resultado, teve que fechar as portas nesta semana.

Fonte: ZDNet

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.