EUA acusam oito por participação em crime cibernético e roubo de US$ 45 milh

Por Redação | 10 de Maio de 2013 às 11h20

A Promotoria Pública dos Estados Unidos acusou oito pessoas de participarem de uma rede de crimes cibernéticos internacional que foi responsável pelo roubo de US$ 45 milhões (R$ 90,9 milhões) de dois bancos do Oriente Médio após invadirem os bancos de dados de operadoras de cartões de crédito e realizar saques em caixas eletrônicos espalhados por 27 países. As informações são da agência de notícias Reuters.

O Departamento de Justiça norte-americano acusou publicamente oito pessoas de serem integrantes da célula de Nova York do grupo de cibercriminosos e afirmou que sete deles já se encontram presos, enquanto o oitavo, tido como o líder da célula, supostamente teria sido assassinado na República Dominicana no dia 27 de abril deste ano. O roubo se deu em operações que aconteceram entre dezembro do ano passado e janeiro de 2013, e ao todo foram realizados 40.500 saques bancários.

Somente nos Estados Unidos, a célula teria roubado cerca de US$ 2,8 milhões (R$ 5,6 milhões) e segundo a promotora do caso, Loretta Lynch, este é o segundo maior roubo a banco da história do país. Nesta nova etapa do processo, os investigadores tentam identificar se a célula possuía outras filiais dentro dos EUA e organizações espalhadas por outros países que também participaram do esquema.

PECHINCHAS, CUPONS, COISAS GRÁTIS? Participe do nosso GRUPO DE DESCONTOS do Whatsapp e do Facebook e garanta sempre o menor preço em suas compras de produtos de tecnologia.

"No lugar de armas e máscaras, essa organização do crime cibernético usava laptops e a internet. Deslocando-se com a mesma rapidez dos dados na internet, a organização conseguiu passar dos sistemas informatizados de corporações internacionais para as ruas da cidade de Nova York, com os réus espalhando-se por Nova York para furtar milhões de dólares de centenas de caixas eletrônicos em questão de horas", explicou a promotora.

Leia também: De cada R$ 100 roubados de bancos no Brasil, R$ 95 são feitos por computadores

A Justiça do país informa que nenhuma conta bancária pessoal foi comprometida pela organização criminosa e que as autoridades estão trabalhando em parceria com órgãos de outros países para tentar desmontar o esquema completo que resultou em um gigantesco prejuízo para as instituições financeiras.

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.