EUA acusam oito por participação em crime cibernético e roubo de US$ 45 milh

Por Redação | 10 de Maio de 2013 às 11h20

A Promotoria Pública dos Estados Unidos acusou oito pessoas de participarem de uma rede de crimes cibernéticos internacional que foi responsável pelo roubo de US$ 45 milhões (R$ 90,9 milhões) de dois bancos do Oriente Médio após invadirem os bancos de dados de operadoras de cartões de crédito e realizar saques em caixas eletrônicos espalhados por 27 países. As informações são da agência de notícias Reuters.

O Departamento de Justiça norte-americano acusou publicamente oito pessoas de serem integrantes da célula de Nova York do grupo de cibercriminosos e afirmou que sete deles já se encontram presos, enquanto o oitavo, tido como o líder da célula, supostamente teria sido assassinado na República Dominicana no dia 27 de abril deste ano. O roubo se deu em operações que aconteceram entre dezembro do ano passado e janeiro de 2013, e ao todo foram realizados 40.500 saques bancários.

Somente nos Estados Unidos, a célula teria roubado cerca de US$ 2,8 milhões (R$ 5,6 milhões) e segundo a promotora do caso, Loretta Lynch, este é o segundo maior roubo a banco da história do país. Nesta nova etapa do processo, os investigadores tentam identificar se a célula possuía outras filiais dentro dos EUA e organizações espalhadas por outros países que também participaram do esquema.

"No lugar de armas e máscaras, essa organização do crime cibernético usava laptops e a internet. Deslocando-se com a mesma rapidez dos dados na internet, a organização conseguiu passar dos sistemas informatizados de corporações internacionais para as ruas da cidade de Nova York, com os réus espalhando-se por Nova York para furtar milhões de dólares de centenas de caixas eletrônicos em questão de horas", explicou a promotora.

Leia também: De cada R$ 100 roubados de bancos no Brasil, R$ 95 são feitos por computadores

A Justiça do país informa que nenhuma conta bancária pessoal foi comprometida pela organização criminosa e que as autoridades estão trabalhando em parceria com órgãos de outros países para tentar desmontar o esquema completo que resultou em um gigantesco prejuízo para as instituições financeiras.

Inscreva-se em nosso canal do YouTube!

Análises, dicas, cobertura de eventos e muito mais. Todo dia tem vídeo novo para você.