Cibercriminosos usam malware para roubar milhões em bancos de vários países

Por Redação | 16.02.2015 às 12:30
photo_camera FIPCEQ

Cerca de dois anos depois, parece que um roubo misterioso em um caixa eletrônico na cidade de Kiev, na Ucrânia, foi solucionado. As investigações mostraram que a máquina começou a "distribuir" dinheiro em diversos momentos aleatórios do dia, sem ao menos que os clientes pressionassem um botão ou inserissem um cartão.

Segundo o NY Times, a descoberta do crime foi feita pela empresa especialista em segurança na web Kaspersky Lab. Foi constatado que computadores internos do banco, que eram usados por funcionários para transferências diárias e outros serviços, foram atingidos por um malware no qual os cibercriminosos conseguiram gravar todos os movimentos em sua frente.

O software ficou escondido durante meses enviando informações de rotina dos funcionários, fotos e vídeos para os criminosos que estão na Rússia, China e na Europa. Com os dados em mãos, eles se passavam pelos funcionários do banco e efetuavam não só a "distribuição" de dinheiro no caixa eletrônico, como a transferência de milhões de dólares em contas fictícias de bancos de países como Rússia, Japão, Suíça, Estados Unidos e Holanda.

Em um relatório publicado na semana passada, o Kaspersky Lab informa que o alcance do ataque chegou a mais de 100 bancos e instituições financeiras de 30 países, o que pode, então, ser considerado um dos maiores roubos a banco da história.

Ainda de acordo com o relatório, a Kaspersky Lab afirma que o roubo de clientes chega aos US$ 300 milhões, mas que o total deve ser o triplo. A empresa diz que é impossível chegar a uma projeção exata, pois os roubos foram limitados a US$ 10 milhões por transação.