Trump fecha acordo e sinaliza fim da "guerra fiscal" com a China

Por Rafael Rodrigues da Silva | 16 de Janeiro de 2020 às 11h00

Na última quarta-feira (15) os Estados Unidos e a China firmaram um acordo que pode ser o primeiro passo para o fim da chamada “guerra comercial” entre as potências. O pacto, que foi anunciado em dezembro do ano passado, prevê mudanças nas áreas de propriedade intelectual, transferência tecnológica, agricultura, serviços financeiros, câmbio e moeda estrangeira.

De acordo com documento divulgado pela Representação de Comércio dos Estados Unidos (USTR), o acordo exige que a China se comprometa a seguir uma série de medidas. E uma das mais importantes é não exigir que as empresas americanas forneçam o uso de suas tecnologias proprietárias para o país - algo que há muito tempo é usado como “moeda de troca” pelo governo chinês para permitir que qualquer empresa dos EUA possa vender seus produtos no país asiático.

O acordo ainda prevê que os chineses se comprometam a importar um adicional de US$ 200 bilhões em bens e serviços nos próximos dois anos (valor que foi baseado no fluxo de exportação deste tipo de produto aos chineses em 2017, antes do início da guerra comercial) e aumentar as importações de produtos agrícolas do país para algo entre US$ 40 e US$ 50 bilhões - pelo menos o dobro dos US$ 20 bilhões em produtos deste setor que a China atualmente importa.

Segundo projeções da Bloomberg, este aumento das importações chinesas no setor agrícola deverá ser responsável por aumentar o PIB norte-americano em algo entre 0,2% e 0,3%. No entanto, essa medida pode também afetar diretamente o Brasil, já que um levantamento feito pelo Insper apontou que, se a China cumprir a risca a recomendação de dobrar suas importações de produtos agrícolas dos EUA, o Brasil deverá perder cerca de US$ 10 bilhões em exportações de produtos do mesmo nicho para o país asiático.

Apesar de ambos os países estarem assinando nesta quarta a primeira fase do acordo, o governo Trump já avisou que irá manter as tarifas de 25% na importação dos produtos vindos da China. De acordo com os representantes do governo, a medida é uma forma dos Estados Unidos se proteger caso os chineses não cumpram a parte deles, e essas tarifas serão retiradas assim que os dois países fecharem a segunda fase do acordo. Por enquanto, ainda não foi divulgado quando a próxima etapa será concluída, mas pode demorar ainda algum tempo, já que, além das questões comerciais, nesta segunda fase também serão discutidas tópicos adicionais de cibersegurança.

Fonte: Washington Post, Folha de São Paulo

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.