Governo emite decreto que obriga compartilhamento de dados entre órgãos públicos

Por Redação | 30 de Junho de 2016 às 13h17

Uma decisão publicada pelo governo nesta quinta-feira (30) irá modificar o acesso aos dados armazenados pelos diversos órgãos federais das administrações direta e indireta, fundações e autarquias. Com o decreto 8.789 publicado no Diário Oficial da União, os dados cadastrais de cidadãos brasileiros, de participações em empresas e composições societárias, bem como da situação empregatícia estarão interligados e deverão ser compartilhados, preferencialmente de forma automática.

O objetivo da nova decisão é minimizar a burocracia, já que o cidadão não será mais forçado a proceder sua identificação em cada órgão público que frequentar. Além disso, o governo poderá cruzar informações nos bancos de dados para traçar um perfil de cada pessoa que solicita por serviços, auxiliando ainda na fiscalização do cumprimento de programas sociais. Segundo o governo federal, os benefícios do compartilhamento incluem a simplificação de oferta de serviços públicos; a análise de regularidade da concessão ou do pagamento de benefícios, ou da execução de políticas públicas; e a melhoria da qualidade e da fidedignidade dos dados constantes das bases dos órgãos e das entidades federais.

O decreto ainda deixa claro que em nenhuma hipótese os dados que envolvem sigilo fiscal devem trafegar pelos órgãos ou serem liberados pela Receita Federal. A única exceção é em caso de decisão judicial. Todos os órgãos que participarem do compartilhamento de dados se comprometerão a respeitar as normas e procedimentos para garantir a proteção, segurança e confidencialidade das informações. Existe ainda a proibição de transmissão dos dados para outros órgãos ou entidades, "exceto quando previsto expressamente na autorização concedida pelo responsável pela base de dados".

Participe do nosso GRUPO CANALTECH DE DESCONTOS do Whatsapp e do Facebook e garanta sempre o menor preço em suas compras de produtos de tecnologia.

O decreto esclarece também que o procedimento de compartilhamento dos dados cadastrais seja realizado preferencialmente de maneira automática. Entre os dados que poderão ser trafegados entre os servidores estão: CPF (Cadastro de Pessoas Físicas), CNPJ (Cadastro Nacional de Pessoas Jurídicas), NIS (Número de Identificação Social), PIS (Programa Integração Social), Pasep (Programa de Formação do Patrimônio do Servidor Público) e título de eleitor. Também poderão ser compartilhadas informações sobre nome civil, data de nascimento, filiação, naturalidade, sexo, estado civil, grupo familiar, endereço e vínculos empregatícios, no caso de pessoas físicas e, no caso de pessoas jurídicas, informações como data de constituição razão social, tipo societário e CNAE (Classificação Nacional de Atividades Econômicas).

Os acordos voluntários de compartilhamento de dados assinados por órgãos federais foram mantidos pelo governo. A Secretaria da Receita Federal precisará adequar-se ao compartilhamento de determinadas informações, mesmo com a obrigatoriedade de manter o sigilo fiscal sobre os dados de contribuintes físicos e jurídicos. As informações compartilhadas da Secretaria incluem a Declaração de Operações Imobiliárias e a Declaração do Imposto sobre a Propriedade Territorial Rural, bem como dados sobre parcelamento e moratória de natureza global, informações sobre débitos de pessoas jurídicas de direito público, entre outras.

Fonte: Convergência Digital

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.