Já pensou em votar usando o Android? É nisso que a Google está trabalhando

Por Jessica Pinheiro | 11 de Maio de 2018 às 12h59
Tudo sobre

Google

Não basta ter nossos dados mais importantes armazenados em um smartphone, e a Google sabe muito bem disso. A gigante da tecnologia, por sinal, quer que o Android seja seguro o suficiente para lidar com as informações mais importantes dos usuários, incluindo passaportes, fichas médicas e até mesmo permissão para votar usando um dispositivo móvel Android.

O problema é justamente o fato de que o Android não é considerado o mais seguro do mundo. Mesmo assim, a Google diz estar trabalhando duro para mudar essa percepção. Durante a conferência “O que há de novo no Android Security” na Google I/O, a gigante de buscas alegou que está focada em transformar seu sistema operacional em um tipo mais seguro e eficiente, de modo que o público norte-americano possa usá-lo para votar nas próximas eleições para presidente dos Estados Unidos.

Para alcançar esse objetivo, ela disse estar trabalhando em uma iteração do sistema que virá com atualizações de segurança significativas – ao menos no que diz respeito às transações. Chamada de “Confirmação de Proteção do Android”, esta será a primeira vez que, supostamente, uma API de um sistema operacional importante será capaz de executar uma “transação de alta segurança”, executada em hardware seguro, em um ambiente de execução confiável (TEE).

Participe do nosso GRUPO CANALTECH DE DESCONTOS do Whatsapp e do Facebook e garanta sempre o menor preço em suas compras de produtos de tecnologia.

(Imagem: Digital Trends)
(Imagem: Digital Trends)

Simplificando: a Google pretende criar um sistema que é executado separadamente do sistema operacional principal, tornando mais difícil para que invasores assumam controle, uma vez que ele rodará de maneira independente. Nesse cenário, o TEE assumirá o controle da tela quando for preciso, solicitando que o usuário confirme a ação que está prestes a realizar pressionando o botão de liga/desliga do aparelho. Vale ressaltar que o procedimento pode mudar dependendo do smartphone que estiver sendo usado, já que o botão dificilmente é localizado no mesmo lugar.

O intuito não se resume a apenas deveres cívicos, afinal, além do voto, essa tecnologia também poderá ser usada para transações financeiras, autenticação em dois passos, dentre outros. Em meio à conferência, a Google também revelou uma pequena lista de parceiros com os quais esteve trabalhando, incluindo a Bigfoot Medical, Royal Bank of Canada e a Duo Security.

Fonte: Digital Trends

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.