Tecnologia: uma aliada em tempos de crise

Por Colaborador externo | 23.07.2015 às 08:40

Por Felipe Almeida*

O aprofundamento da crise econômica que atravessa o país tem levado as empresas brasileiras a adotarem medidas para garantir as margens esperadas ou pelo menos mitigar perdas. Estas iniciativas passam muitas vezes por rever custos e processos internos de compras e logística. Uma grande aliada são as soluções tecnológicas em gestão da cadeia de suprimentos, que hoje oferecem a um baixo custo, ganhos potenciais para empresas de diferentes perfis.

Os avanços recentes em hospedagem e em arquitetura de soluções tecnológicas, e a aceitação cada vez maior das empresas às cloud solutions, tem incentivado o surgimento de novos players e gerado novas oportunidades para o mercado de plataformas B2B. Ferramentas que suportam e automatizam os processos de gestão de fornecedores, negociação, aquisição (req-to-order) e monitoramento logístico, geram benefícios ao longo de toda a cadeia.

Atualmente, mesmo com os ERPs, muitas empresas ainda dependem de processos manuais na comunicação com o ambiente externo. A automatização da busca, homologação, negociação e transação com fornecedores aumenta a agilidade, gera visibilidade em tempo real de todos os processos, e ainda melhora o compliance, mitigando riscos. Indicadores de desempenho destas soluções indicam economia potencial no custo operacional da requisição ao pedido de até 50%, além de ganhos no prazo total deste processo, melhora na gestão total de gastos e diminuição de compras spot, ou seja, sem contrato.

Já em logística, gastos com transportes (ou custo frete) podem representar até 50% dos custos referentes aos processos da cadeia de suprimentos. Empresas que utilizam modelos de otimização dinâmica e colaboração tendem a capturar maiores benefícios e se posicionar a frente dos seus competidores. As soluções tecnológicas que oferecem o acompanhamento da operação logística em tempo real e visibilidade do status e do desempenho de pedidos, nota fiscal, transporte e frota, geram aumento da produtividade operacional, melhora do nível de serviço e redução de custos em transporte, armazenagem, seguro e estadias.

Se por um lado o cenário de crise do país gera dificuldades em geral para as empresas, na cadeia de suprimentos, a combinação de redução do desperdício, aumento da eficiência e economia gera impacto direto no bottom line das empresas e as prepara para serem ainda mais competitivas em um momento de retomada do crescimento econômico.

*Felipe Almeida, CEO da Nimbi