Oracle: 300 funcionários fizeram greve após CTO promover evento pró-Trump

Por Rafael Arbulu | 21 de Fevereiro de 2020 às 18h10
Top News
Tudo sobre

Oracle

Saiba tudo sobre Oracle

Ver mais

Cerca de 300 funcionários da Oracle fizeram um protesto de passeata, largando suas posições de trabalho em protesto à decisão do chairman, CTO e fundador da empresa, Larry Ellison, de promover um evento de captação de fundos para o presidente norte-americano Donald Trump, de quem o executivo não é apenas politicamente favorável, mas também é pessoalmente próximo. O evento foi realizado no último dia 19, com o protesto ocorrendo na manhã seguinte.

As informações são da agência de notícias Bloomberg, que reportou o caso, que também indicou que um número não determinado de outros funcionários, embora não tenham abandonado suas posições de trabalho, não ligaram suas máquinas e não trabalharam, em união aos membros da passeata. Antes do evento, diversos funcionários assinaram petição contrária ao anúncio de Ellison.

"O protesto, chamado de ‘Sem Ética/Sem Trabalho’, envolveu cerca de 300 colaboradores que deixaram seus escritórios em passeata ou parando de trabalhar em locais remotos ao meio dia, dedicando o resto do dia a atividades voluntárias civis”, disse a agência, que cita uma fonte que pediu pelo anonimato por temer represálias da empresa.

Larry Ellison, fundador da Oracle e um de seus principais executivos, é próximo de Donald Trump e recentemente promoveu evento de captação de fundos para o presidente norte-americano

Outras pessoas também mostraram descontentamento com a decisão de Ellison, mas ao invés de juntarem-se à passeata ou às atividades voluntárias — também por medo de um contra-ataque da Oracle —, preferiram fazer doações a entidades de caridade ou a opositores políticos do presidente Trump.

O protesto contou ainda com uma página própria, a qual as restrições de navegação na internet dentro da conexão da Oracle marcou como “não segura” e ressaltando que “o acesso a esta página pode não ser permitido” pela política da empresa. Entretanto, se o usuário fosse um funcionário da Oracle, com ID interno e credencial, não havia impedimento de que a página abrisse, embora o acesso em si fosse logado nos servidores da Oracle, passíveis de rastreio posterior.

Considerando que a Oracle tem mais de 130 mil funcionários, 300 dissidentes dificilmente causariam algum dano à empresa sob qualquer aspecto, mas ainda assim, é um episódio notável de como divergências políticas podem causar atritos no ambiente corporativo — em especial, para uma empresa de fama notoriamente corporativista e tradicional como a Oracle.

Mas pelo menos não foi nada parecido com o que vem acontecendo no Google, que já teve diversos problemas com isso no passado e ainda é investigado por supostas violações de conduta no âmbito trabalhista. Ironicamente, as duas empresas estão em briga judicial sobre uma questão de propriedade relacionada ao Android.

Oracle e Google devem visitar a Suprema Corte para uma decisão final no mês que vem.

Fonte: Bloomberg

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.