Mobilegeddon: o que realmente mudou nesses primeiros dias?

Por Caio Monteiro

Muita coisa foi falada sobre a mudança do algoritmo do Google que passou a dar prioridade aos sites adaptados para dispositivos mobile. Foi um imenso barulho em toda a internet mundial. Muitas especulações e opiniões diversas em torno do assunto que realmente merece toda atenção, visto que recentemente o Google anunciou oficialmente que as pesquisas em dispositivos móveis já são superiores que as buscas em Desktops.

google contramestre

Bom, no meio do “burburinho” ainda havia situações e dúvidas a respeito de como essa mudança seria feita. Iria afetar pesquisas em Desktops ou apenas em dispositivos móveis? Preciso de um site responsivo ou que tenha versão mobile? Como descobrir se meu site está otimizado para os dispositivos móveis?

Algumas dessas respostas já eram anunciadas dentro do próprio blog oficial da Google, mas a gente traz a resposta aqui para você:

1. Os resultados de pesquisas em PC/desktop também serão afetados por essa mudança?

Não, esta atualização não tem efeito em pesquisas realizadas via PC/Desktop ou tablets. Ela afeta pesquisas de dispositivos móveis (smartphones) em todos os idiomas e locais.

2. Eu preciso de ter um site responsivo ou posso apenas ter uma versão móvel?

O Google consegue ler perfeitamente sites responsivos ou versões móveis. Qualquer uma das duas opções está sendo aceita como versão otimizada.

3. Como faço para saber se o Google acha que uma página no meu site é responsivo?

As páginas podem ser testadas individualmente através da ferramenta “Mobile-Friendly Test"

Primeiras percepções: o que mudou?

Para começar, ficamos monitorando aqui na agência a performance das páginas de nossos clientes e as variações nesses primeiros dias foram praticamente imperceptíveis.

Resolvi correr atrás das experiências “gringas” e ver o que as maiores autoridades da área estavam sentindo. A primeira coisa foi verificar o MozCast pra analisar as variações no algoritmo. O MozCast é uma espécie de termômetro que analisa diariamente as mudanças da Google em seu algoritmo. Quanto mais quente e mais nebuloso for, maiores as alterações.

Analisando as mudanças, não via muito sentido, pois os dias 21 e 22 estavam completamente dentro da média, sem nada aparentemente muito significativo.

Sendo assim, fui procurar o blog do Dr. Peter Meyers e reparei que ele havia tido a mesma constatação que eu e, sendo assim, eles resolveram criar uma espécie de MozCast Mobile, pois é onde se concentraram as principais mudanças.

Entretanto, como tudo ainda é muito novo, apenas pequenas variáveis como URLs móveis e a nova tag de “site móvel" foram mensuradas.

google contramestre 2

Analisando a diferença entre as variações do algoritmo entre Desktop e Mobile, percebemos que a principal mudança/variação, ocorreu na verdade no dia 22/04 (segundo dia) onde tivemos uma diferença de 18º comparando o fluxo móvel com o Desktop.

Outro dia em que tivemos um pico relevante de alterações foi no dia 24/04, porém, segundo Peter, essas mudanças não parecem estar relacionadas com a otimização para dispositivos móveis, visto que também tivemos o mesmo pico no gráfico para Desktops.

Resumindo, a conclusão de Peter é que algo realmente mudou em torno do dia 22/04, porém, ainda bem longe do que esperávamos.

A expectativa é que a mudança seja gradativa e não drasticamente como se esperava.

As tags de sites mobile já começaram a aparecer e segundo Peter, o número vem crescendo, o que pode significar que a Google vem conseguindo o que queria: fazer com que as empresas se atentem para isso e comecem a oferecer versões móveis de seus sites.

mobile tag

O que ficou claro é que as mudanças ainda estão longe de serem um verdadeiro “apocalipse”, como era esperado, mas sabemos que elas caminham para ser decisivas. Reparamos ainda que no início do mês tivemos grandes mudanças no algoritmo, mas, monitorando o Dr. Peter no twitter, segundo ele, nada muito significativo em relação ao mobile.

pete meyers

Outra coisa que é preciso deixar claro é que mesmo para os resultados de buscas móveis, a otimização do site para os dispositivos não é a única consideração. O conteúdo ainda é um fator extremamente importante, sendo assim, mesmo que a página não esteja otimizada para dispositivos móveis, ela ainda estará bem ranqueada se tiver um conteúdo de qualidade.

Essas mudanças devem ser vistas com bons olhos, pois o que o Google pretende é levar uma experiência de navegação melhor para os usuários.

O mais recomendado agora é aproveitar que essa mudança está ocorrendo e forma gradativa e começar a desenvolver seu site responsivo ou mobile, antes que comece a perder negócios e dar espaço para os concorrentes.