Gerenciamento correto dos telefones corporativos pode gerar economia de 40%

Por Redação | 04.05.2015 às 16:00

Por mais que estejamos em uma era totalmente mobile, em que aplicativos de mensagens instantâneas sejam a preferência dos usuários finais para comunicação, no mundo corporativo, as chamadas convencionais ainda têm papel central. E, como tal, acabam sendo também um grande gerador de custos que, de acordo com um estudo da Spring, pode ser tanto responsável por economia, quando bem feito, ou terminar em uma conta bastante grande, caso contrário.

De acordo com a empresa, que opera 60 mil linhas móveis e gerencia soluções voltadas para o mercado corporativo, em alguns casos, a redução nos custos pode chegar a 40% caso seja feito um gerenciamento adequado. Isso se levarmos em conta apenas um controle maior do que é efetivamente utilizado, com campanhas de conscientização e utilização adequada podendo ampliar esse valor.

Durante a realização do estudo, a Spring chegou a uma conclusão: 32% dos gastos de telefonia das companhias são oriundos de utilizações que aconteceram fora do horário de trabalho, aos finais de semana ou em horários entre às 22h e 8h. E esse aspecto, sozinho, poderia ser amplamente minimizado caso as empresas realizassem uma auditoria correta do uso dos celulares entre seus funcionários.

De acordo com a Spring, somente a aplicação de políticas de utilização dos aparelhos é capaz de reduzir os gastos com telefonia em 12%. A renegociação de planos com operadoras, de forma a adequar os serviços ao que é efetivamente usado no trabalho, também traz economias significativas, na casa dos 10%. Essa adequação, também, acaba providenciando uma melhoria na produtividade dos funcionários, gerando ganhos em outras áreas que também podem entrar na conta.

O estudo percebeu também que está crescendo a preocupação das empresas em relação à segurança das informações trafegadas pelos smartphones corporativos. Sete em cada dez dispositivos, mesmo os pessoais dos funcionários, acabam transmitindo, em algum momento, dados confidenciais das empresas nas quais seus donos trabalham, o que acaba gerando uma preocupação adicional, principalmente em caso de perdas, roubos ou quebra, com uma assistência técnica desconhecida assumindo o conserto.

Para resolver tais questões, a Spring recomenda o uso de uma solução integrada, que faça a interface completa entre operadoras, serviços de manutenção e fabricantes de aparelhos. Assim, a companhia acaba sendo cliente de uma única empresa, que realiza todo o restante das operações e adequação de planos, além de lidar com a proteção das informações e o bloqueio dos aparelhos em caso de perda ou roubo.

Fonte: Spring Mobile Solutions