Dicas para reter usuários em seu aplicativo

Por Stephanie Kohn | 26 de Outubro de 2017 às 16h03

O mobile marketing ainda engatinha no Brasil, apesar de muitas empresas estarem pensando em levar seus produtos ao mundo móvel. Para ajudar nesse etapa tão importante do negócio, Juliana Assunção, co-fundadora da RankMyApp, startup que utiliza técnicas para melhorar o ranking de aplicativos dentro das lojas, deu dicas valiosas para quem precisa reter usuários para seu app.

Segundo a empreendedora, o login é a página que mais merece atenção, pois é a porta de entrada do usuário. Um login que pede muitas informações ou demora para ser feito pode ser fatal. “Um estudo descobriu que a experiência de atrasos no mobile gera no usuário uma sensação semelhante a assistir um filme de terror”, comentou durante a CASE, conferência anual de startups e empreendedorismo, que acontece nos dias 26 e 27 de outubro em São Paulo.

A experiência do usuário, a comunicação, atualização e suporte também são vitais. O app deve ter interface simples e intuitiva, a comunicação dentro do app precisa ser certeira, as atualizações precisam ocorrer frequentemente trazendo melhorias e não apenas correções, e o suporte precisa ser 24 por 7. “Por mais idiota que a pergunta seja, ela precisa ser respondida. Usuários acolhidos têm mais chances de permanecer no app”, diz.

Participe do nosso GRUPO CANALTECH DE DESCONTOS do Whatsapp e do Facebook e garanta sempre o menor preço em suas compras de produtos de tecnologia.

A comunicação pode ser feita por duas ferramentas: ‘push notifications’, aquelas notificações que pipocam na tela do usuário mesmo quando o app não está aberto, e o ‘in-app messages’. Em ambos os casos, porém, é necessário cautela. “As ‘push notifications’ precisam ser usadas com moderação e apenas quando há informação relevante, como novas ferramentas ou promoções. Já as ‘in-apps messages’ precisam ser usadas com empatia”, reforça.

O ideal é que o desenvolvedor conheça a jornada do usuário dentro do app e defina o que e quando ele pode falar com o usuário. “Obviamente nenhuma comunicação eficaz importa se o aplicativo for ruim. O app precisa funcionar direito a qualquer hora do dia e oferecer uma boa experiência para que o usuário consiga usar em qualquer situação, mesmo estando bêbado ou com sono.”

Para Juliana, o MVP (Minimum Viable Product ou produto mínimo viável) também tem que entregar a proposta de valor do aplicativo de forma eficiente - ainda que a proposta do MVP seja de iniciar com uma versão mais simples.

Outra dica importante é criar um funil de uso para entender as etapas pelas quais seu usuário passa e onde você pode estar perdendo o cliente. Para isso, siga quatro passos: entenda seu nicho de mercado, defina seu “dream user” ou usuário dos sonhos, defina seu objetivo e faça testes e ajustes no funil. Por exemplo, em um app de e-commerce, o usuário dos sonhos é aquele que compra e o objetivo é que haja recorrência nessa compra. Já num app de games, o ‘dream user’ é o jogador que compra e o objetivo é que ele compre dentro do app.

“A regra é ter foco. Defina uma estratégia por vez e veja se os resultados colhidos estão sendo úteis”, finaliza.

Para quem tem interesse em saber mais sobre mobile marketing, o RankMyApp tem um blog cheio de dicas. Além disso, no nosso canal do Youtube você pode conferir entrevistas com especialistas na área.

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.