Como construir e desenvolver uma cultura de engenharia? 

Como construir e desenvolver uma cultura de engenharia? 

Por Matt Swann | Editado por Renato Santino | 25 de Fevereiro de 2022 às 15h00
Christina Morillo/Pexels

Em qualquer grupo de pessoas, seja trabalhando em conjunto ou frequentando espaços e rituais em comum, certas crenças e códigos as guiam para manter uma boa convivência e objetivos compartilhados. Não é diferente quando pensamos em equipes de tecnologia: para impulsionar a inovação e construir um ambiente de trabalho saudável que promova o autodesenvolvimento, precisamos de um conjunto robusto de princípios e valores, o que muitas vezes chamamos de Cultura de Engenharia.

Pode parecer surpreendente, mas nem todos os aspectos de uma boa cultura de engenharia envolvem programação – o que não significa que a prioridade não seja a qualidade da execução quando se almeja o hipercrescimento e o foco no cliente. Os principais objetivos da construção de uma boa cultura de engenharia são formar e sustentar um ambiente onde engenheiros de software se sintam desafiados e engajados.

Nesse sentido, a cultura se manifesta por meio de como a organização estabelece metas, as práticas técnicas adotadas, como as pessoas colaboram, o processo de tomada de decisão e como a gestão traduz os valores em competências esperadas e comunica tudo isso às equipes.

Com isso, projetar uma cultura requer uma compreensão profunda dos pontos problemáticos. Alguns são bastante conhecidos em diferentes empresas, como carga operacional, desenvolvimento de carreira e oportunidades de crescimento, e não há receita mágica para lidar com todos esses fatores aqui. Equilibrar planos de curto e longo prazo pode ser o caminho para criar um lugar onde os engenheiros possam trabalhar de maneira mais eficaz.

Cultura de Engeharia vai além de temas ligados ao desenvolvimento de software (Imagem: Christina Morillo/Pexels)

Ao longo da minha carreira, tive várias experiências que me levaram a essa conclusão, o que me remete a uma época em que fui desafiado a liderar uma equipe que sofria com falta de investimento há anos. Como ocorre em muitas empresas de tecnologia, era um cenário de hipercrescimento, um período de expansão para diferentes localidades, a equipe operava diversos sistemas, as pessoas estavam saindo e, como resultado, a área se tornou o maior gargalo da empresa e ninguém queria trabalhar lá.

Além de tudo isso, estávamos em uma espécie de espiral de excesso de operações; a equipe não conseguia entregar produtos, presa em um ciclo vicioso. Então eu tive que equilibrar os efeitos de curto e longo prazo e ser extremamente realista sobre o desafio que tínhamos pela frente: a empresa não veria o retorno dos investimentos mais recentes e precisaríamos de capital adicional para executar um plano de três anos e estabilizar a base, remodelar nossa espinha dorsal.

Em suma, foi uma grande mudança para mim. Eu tive que equilibrar priorizar – ou, em alguns casos, despriorizar – o negócio e o crescimento e permitir que a empresa tivesse uma plataforma na qual as pessoas se orgulhassem de trabalhar e fazer parte para que, finalmente, chegássemos ao nível de velocidade que precisávamos. Só então poderíamos inverter as prioridades e dedicar mais energia e recursos ao produto e realmente construir e fazer crescer o negócio. Foi aí que começou a ocorrer muito mais inovação.

Na maioria das vezes, o caminho para construir a base com princípios e valores não é o mais óbvio e fácil, e os líderes de tecnologia geralmente precisam se posicionar como engenheiros de software para alavancar suas equipes e negócios. Mas a compensação é extremamente valiosa: uma vez que você tem uma cultura de engenharia sólida infundida na equipe, qualquer pessoa que ingresse na empresa adotará a cultura sem precisar constantemente de um envolvimento de cima para baixo. Outra evidência de uma boa cultura é conseguir uma combinação poderosa de entregas de alta qualidade sendo feitas por pessoas felizes, o que, como consequência, resulta em clientes mais felizes também.

Gerentes e especialistas vão nutrir a cultura todos os dias enquanto executam o ciclo de desenvolvimento, estabelecendo rituais e rotinas, integrando novos colegas e oferecendo oportunidades de crescimento.

Como eu disse antes, não existe receita mágica. Ainda assim, você não vai se arrepender de se abrir ao feedback, ser intencional e verbal sobre o valor dos comportamentos, manter um ciclo de aprendizado ativo e apresentar constantemente novos desafios à sua equipe.

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.