Apenas 7% das empresas são capazes de monitorar, detectar e impedir ameaças

Por Stephanie Kohn | 24 de Julho de 2017 às 17h17
photo_camera Divulgação

Em tempos de WannaCry e outras tantas ameaças, os brasileiros parecem estar ligeiramente mais preocupados com a cibersegurança. De acordo com recente estudo feito pela Protiviti, consultoria global especializada em Gestão de Riscos e Compliance, 41% dos executivos estão engajados com as diretrizes de melhores práticas de segurança em seus departamentos de TI, enquanto apenas 33% dos americanos entrevistados disseram estar comprometidos com o assunto.

O levantamento também apontou que apenas 7% das empresas brasileiras e globais são capazes de monitorar, detectar e impedir potenciais incidentes de segurança por um invasor qualificado, como foi o caso do ataque virtual que afetou mais de 300 mil computadores do mundo todo no último dia 12 de maio, com a ameaça do WannaCry.

Segundo Marco Ribeiro, sócio-diretor de TI Consulting da Protiviti no Brasil, embora seja um sinal positivo o aumento do envolvimento dos diretores e da administração das empresas, a maioria das organizações precisa aprimorar o entendimento sobre seus sistemas críticos e, consequentemente, a classificação e gerenciamento de seus dados e informações.

PECHINCHAS, CUPONS, COISAS GRÁTIS? Participe do nosso GRUPO DE DESCONTOS do Whatsapp e do Facebook e garanta sempre o menor preço em suas compras de produtos de tecnologia.

“Um número alarmante de empresas não consegue identificar ou localizar com confiança seus ativos de informação mais valiosos. Proteger estas informações críticas, também conhecidas como “joias da coroa”, requer metodologia e ferramentas para a classificação de dados e informações apoiado por políticas efetivas e aderidas por toda a empresa”, explica Ribeiro.

A Protiviti ainda compartilhou que quando se trata de gestão das vulnerabilidades, 47% dos líderes brasileiros têm envolvimento médio quanto à ciência e correção das brechas. Já nos Estados Unidos este número cai para 37%. 

Ainda de acordo com a pesquisa, em empresas nas quais o conselho tem um alto nível de engajamento com segurança da informação, os níveis de segurança e o uso de boas práticas apresentam níveis consideravelmente melhores em relação às que têm baixo engajamento do conselho.

O mesmo vale para as organizações que possuem definidas todas as políticas essenciais de segurança da informação. Quando o tema é segurança, essas características fundamentais ajudam a atingir os melhores resultados com o apoio e embasamento da governança de tecnologia e segurança da informação.

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.