Mudança de estilo é necessária para que CIOs conquistem novas oportunidades

Por Redação | 18.11.2014 às 17:24

Com a digitalização como foco central de muitos negócios, os CIOs (título dado para gestores de TI) têm a oportunidade de se tornarem líderes digitais. A constatação foi feita por uma pesquisa realizada com 2.800 CIOs pelo Gartner Inc., referência no fornecimento de estudos, pesquisas e aconselhamento na área de tecnologia da informação.

O Gartner 2015 CIO Agenda mostra que os executivos estão cientes que precisam mudar para obter sucesso nas novas companhias digitais. Grande parte dos entrevistados (75%) reconhecem a necessidade de se adaptarem a um novo estilo de liderança nos próximos três anos. Juntos, os 2.800 CIOs entrevistados respondem por mais de US$ 397 bilhões em orçamento de TI em 84 países. O relatório "Lançando a Liderança Digital: The 2015 CIO Agenda" representa uma análise abrangente das oportunidades existentes em negócios digitais, além de indicar as ameaças para as estratégias dos executivos do setor.

Para aproveitar melhor as oportunidades no Brasil, os CIOs devem estar atentos aos problemas existentes em locomoção, suprimentos e mão de obra qualificada, principalmente nas grandes metrópoles. Visto que o país é visto como uma futura potência no setor de TI, é necessário que os líderes digitais compartilhem da ideia de que a atual condição deve ser modificada para melhor.

De acordo com Dave Aron, Vice Presidente e Gartner Fellow, "agarrar a oportunidade digital e melhorar o desempenho de TI não é suficiente. A digitalização não é mais um fator secundário - ela está no centro do palco e está mudando todo o jogo. Agora, os CIOs têm uma oportunidade única, mas precisam mudar suas práticas de liderança".

Segundo a última pesquisa elaborada pela Gartner, "Domando o Dragão Digital: The 2014 CIO Agenda", que explorou a chegada da terceira era da TI Empresarial, foi constatado que as informações e a tecnologia fizeram uma contribuição diferente para os negócios, menos ligada à eficiência e à eficácia dos processos internos do que à viabilização da criação de novos serviços, produtos e modelos de negócio. Em pouco menos de um ano, a terceira era chegou e, cada vez mais, a digitalização está separando e determinando quem são os vencedores e os perdedores em todas as indústrias.

O estudo recente do Gartner informa que 89% dos CIOs concordam que, além das boas vantagens que a digitalização traz, o mundo digital apresenta novos níveis de ameaças, e 69% dos entrevistados afirmaram que a disciplina da gestão de riscos não está correspondendo. Sendo assim, é necessário que os executivos analisem, junto com a empresa e os líderes das áreas, se a gestão dos riscos está se adaptando no ritmo necessário.

A importância da digitalização nas companhias pode ser medida pelo depoimento de Aron: "Isto não é apenas uma história de alguma grande empresa ou startup high tech do setor privado. A digitalização está mudando todos os tipos de organizações públicas. Na maioria das vezes, essas transformações representam grandes oportunidades e desafios aos CIOs, assim como para os setores de TI. A digitalização não é somente uma forma de conseguir uma vantagem competitiva, mas também de oferecer a capacidade de transformar desvantagens em vantagens".

O relatório também apresentou uma boa notícia para os CIOs, que apesar do aumento das funções, eles não estão condenados a ser observadores da evolução digital. De acordo com a pesquisa, cerca de 41% deles se reportam aos seus CEOs. Tal número representa a chegada a um dos níveis mais altos jamais alcançados, um resultado da narrativa digital que ganha espaço entre a diretoria e o comitê executivo.

Outra evidência ainda maior da oportunidade dos CIOs é que o estudo revela que os CEOs esperam que eles tomem a liderança no impacto digital durante o período de transição.

A pesquisa anterior mostrou que os orçamentos de TI não estavam crescendo muito. A média dos investimentos no setor tende a aumentar apenas 1% entre este ano e 2015. Os diretores de TI estimam que 79% dos gastos envolvendo o setor estarão dentro do limite do orçamento, mas grande parte da inovação digital pode e será financiada fora dos gastos já planejados.

Uma das dificuldades no que se refere as oportunidades digitais para os CIOs é o fato de que a disciplina de TI na maioria das companhias tenha desenvolvido uma gama ampla de comportamentos e crenças durante muitos anos, que são inapropriados para explorar as chances do setor e responder às ameaças digitais. A maioria das empresas pensa em inovação em termos de paradigma tecnológico. Se tal comportamento persistir, a oportunidade digital poderá ser perdida.

A liderança digital significa mudar o enfoque, o legado para o digital, assumindo que todas ou grande parte das soluções sejam baseadas na nuvem, projetadas para serem mobiles e altamente contextualizadas, além de procurar a exploração de dados não estruturados e fazer experimentos com base em dados.

Outra situação que deve mudar é o fato da maioria das empresas e seus CIOs concentrarem desproporcionalmente no que pode ser medido facilmente, como os cursos de TI. Em vez disso o conjunto deve se concentrar no que é mais valioso, ou no que requer mais atenção, como o valor de desenvolver uma capacidade digital.

Segundo o Vice Presidente e Sócio Executivo do Gartner Executive Programs, Graham Waller, "durante a segunda era da industrialização de TI, os líderes das pessoas enfatizaram a precisão, a disciplina e um controle rígido". Ele conclui dizendo que "por natureza e aprendizado", os diretores de TI evoluíram para que pudessem se tornar líderes pragmáticos baseados no controle. Waller ainda acredita que essa situação é perigosa e que os "CIOs precisam inverter seu estilo para serem mais voltados à imaginação e inspirados".

A pesquisa indica que os CIOs já sabem disso, mostrando que 73% dos entrevistados mudaram seu estilo de liderança nos últimos três anos e 7%% precisam mudar seus estilos nos próximos anos de liderança de 'primeiro controlar' para 'primeiro ter visão'.

Para Aron, "ser um líder digital poderoso e um influenciador leva tempo e os CIOs precisam dedicar tempo sendo líderes digitais". Ao analisar as pesquisas do Gartner sobre CIOs de 2011 e 2015, é possível descobrir que o CIO está gastando mais tempo para cuidar do setor de TI, cerca de 5% a mais ou um dia extra por mês. "Porém, os dados das pesquisas também mostram que, se tudo ficar como está, os CIOs com maior desempenho como líderes de TI dedicam muito menos tempo ao setor de TI e delegam a liderança de algumas unidades de negócio. Isso proporciona a eles uns 5% de bônus de tempo para tratar com a diretoria, a alta gerência e com clientes externos", concluiu o executivo.