Funcionários perdem uma semana de trabalho no ano por tecnologia ultrapassada

Por Redação | 06.02.2014 às 10:00

Investir em novas tecnologias não é simples para nenhuma empresa: a mudança exige atenção e planejamento. No entanto, deixar de evoluir junto com o mercado pode ser um risco ainda maior. Agora, uma pesquisa encomendada pela Intel e desenvolvida pela Techaisle traz dados alarmantes sobre o assunto.

Segundo os dados levantados, as empresas de pequeno porte jogam fora cerca de uma semana de trabalho de seus funcionários todos os anos por usar tecnologias que já estão ultrapassadas – ou seja, 42 horas de trabalho anual por funcionário.

O tempo médio perdido foi calculado com base em problemas de travamentos e lentidão em computadores antigos. A mesma pesquisa indica ainda que 27% das 736 empresas entrevistadas têm como prioridade reduzir os custos de TI em 2014, algo que vai de encontro com a necessidade de aumentar a agilidade no trabalho.

O estudo foi realizado com representantes de empresas do Brasil, China, Alemanha, Índia, Rússia e Estados Unidos. A pesquisa ainda indica que todas as corporações entrevistadas estariam prolongando a vida de seus PCs por um tempo muito maior do que o recomendado.

Em 36% delas, os computadores já têm mais de quatro anos de uso. Com isso, as máquinas tendem a apresentar mais problemas e exigirem mais manutenção, algo que eleva os gastos e também afeta a produtividade de seus funcionários. Os pesquisadores ainda apontaram que, em alguns casos, o investimento em novas máquinas seria menor do que o gasto com a manutenção.

Gastos com manutenção são crescentes

Enquanto as empresas mantêm computadores antigos, elas aumentam também os gastos com reparos e manutenção. A pesquisa aponta que esses custos são de, em média, US$ 427 por PC com mais de quatro anos de uso.

Isso equivale a 1,3 vezes o valor do mesmo serviço para PCs novos ou seminovos. Entre as empresas com 50-99 empregados, o custo médio de reparo de PCs antigos é US$521 por ano, ou 1,4 vezes o custo de reparo de um PC com menos de quatro anos de vida.

manutenção

Outro risco analisado pelos especialistas está na necessidade do aumento de segurança nas empresas. Entre os participantes, 47% não estavam informados de que a Microsoft encerrou o serviço de suporte ao Windows XP, o que inclui o fim das atualizações de segurança.

Investimentos nas pequenas empresas

Nas pequenas empresas, outro panorama pode ser observado: os empresários acreditam que PCs novos podem melhorar o desempenho de softwares, principalmente com a necessidade de rodar aplicações simultâneas. No entanto, 60% das pequenas empresas só pretendem substituir os equipamentos quando o custo de um reparo for equivalente ao investimento em uma máquina nova. Ao mesmo tempo, grande parte destes empresários relata sofrer com problemas de baixo desempenho dos computadores, além de falhas de segurança e ataques de malwares.

“Apesar da dificuldade de quantificar o impacto da perda de produtividade decorrente desses problemas, eles também contribuem significativamente para a perda de produtividade e insatisfação do empregado”, destaca Carlos Luzzi, diretor do segmento corporativo da Intel Brasil.